Eurofarma entra com pedido de registro de companhia aberta na CVM

Tipo de registro permite a emissão de ações, mas não há pedido de abertura de capital até o momento

Eurofarma: com receita de R$ 6,2 bilhões em 2020, a empresa é considerada uma das joias da coroa do setor (Foto: Eurofarma/Divulgação)

A farmacêutica Eurofarma entrou com pedido de registro de companhia aberta na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), na categoria A, que inclui a possibilidade de emissão de ações. Ainda assim, não há até o momento um pedido de oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), que exigiria o protocolo de um prospecto preliminar.

Conforme o Valor mostrou em junho, diversas farmacêuticas brasileiras estão testanto o apetite dos investidores para uma eventual oferta de ações. Na ocasião, a Eurofarma, com laboratórios espalhados pela América Latina, estava na fase de“non-deal roadshow” – ou seja, fazendo reuniões com investidores para apresentar a empresa ao mercado, ainda sem o compromisso de ir à bolsa.

A Eurofarma foi fundada em 1972 pelo casal de imigrantes italianos Galliano e MariaTeresa Billi. Desde o início dos anos 2000 é controlada pelo filho deles, Maurizio Billi. Com receita de R$ 6,2 bilhões em 2020, a empresa é considerada uma das joias da coroa do setor, com atuação em medicamentos de prescrição médica, genéricos, hospitalares e oncológicos.

Em seu site, a Eurofarma define sua visão como o objetivo de ser uma das três maiores farmacêuticas de capital regional da América Latina, líderes em prescrição médica no Brasil e referência em inovação e sustentabilidade. Em agosto, assinou uma carta de intenções com a Pfizer/BioNTech para produzir a vacina contra Covid-19. Segundo o acordo, a Eurofarma receberá o produto de instalações nos Estados Unidos e a fabricação das doses acabadas terá início em 2022. Em plena capacidade operacional, a produção anual deverá exceder 100 milhões de doses. Todas as doses serão distribuídas exclusivamente na América Latina.

VTRM

Quem também entrou com pedido de companhia aberta na CVM foi a VTRM Energia, joint venture constituída em 2017 por Votorantim e CPP Investments. Em outubro, a companhia anunciou o plano da criação de uma nova gigante de energia, incorporando integralmente a Companhia Energética de São Paulo (Cesp),na qual já tem uma fatia de 40%.

Com valor de mercado de R$ 17 bilhões, a nova empresa nasce com um parque gerador de 3,3 gigawatts (GW) e receita líquida anual estimada de R$ 5,8 bilhões ao valor de 2020. O balanço da companhia também mostra espaço para acelerar atrajetória de crescimento: a alavancagem é baixa, de 0,7 vez a relação entre a dívidalíquida e Ebitda, considerando o aporte de um R$ 1,5 bilhão realizado pelo CPP Investments.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h34
Bolsas europeias e futuros de NY têm alta moderada, antes da ata do Fed

À espera do documento, no pré-mercado em NY, o futuro do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h46
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h48
Bolívia reduz envio de gás para o Brasil e custo pode subir

Produção boliviana tem sido direcionada para atender uma demanda maior da Argentina

Valor Econômico Publicado em 25.maio.2022 às 07h36
Após nova troca, ações da Petrobras caem

Investidor volta a analisar peso político, mas efeito na bolsa foi limitado por ativo ser considerado barato

5 min
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h28
Bagagem despachada em voo: Bolsonaro deve decidir se confirma ou rejeita gratuidade

O governo argumenta que a proibição de cobrança fará com que as aéreas de baixo custo não venham para o Brasil