Como mais de US$ 1 trilhão em criptomoedas desapareceu em apenas seis meses

Os investidores estão olhando para um ponto de inflexão nos mercados financeiros à medida que as taxas de juros e a inflação aumentam

Bitcoin e outras moedas digitais têm sido mencionadas como hedge (proteção) de inflação. Mas o efeito cascata foi diferente — Foto: David McBee/Pexels
Bitcoin e outras moedas digitais têm sido mencionadas como hedge (proteção) de inflação. Mas o efeito cascata foi diferente — Foto: David McBee/Pexels

A fuga dos investimentos arriscados reduziu pela metade o preço do bitcoin e outras criptomoedas, eliminando mais de US$ 1 trilhão em dinheiro digital desde novembro. As oscilações selvagens são bastante comuns com as criptomoedas, mas mesmo os investidores experientes cambalearam quando o bitcoin caiu 29% em uma sequência de sete dias de perdas, enquanto uma stablecoin – uma parte do mundo das criptomoedas que alardeia sua estabilidade – desabou inesperadamente.

Os investidores estão olhando para um ponto de inflexão nos mercados financeiros à medida que as taxas de juros sobem e a inflação aumenta, e eles estão respondendo vendendo ativos de risco.

Para a criptomoeda, tem sido uma jornada volátil nas profundezas. No ano passado, as criptomoedas estavam pegando fogo e pareciam ganhar mais legitimidade depois de anos sendo consideradas um produto especulativo e marginal. A Tesla Inc. disse que comprou US$ 1,5 bilhão em bitcoin, elevando os preços. A Coinbase Global Inc. listou suas ações na na primeira grande oferta pública focada em bitcoin.

Em novembro, bitcoin e ethereum, duas das criptomoedas mais populares, atingiram recordes históricos. O valor do bitcoin em 9 de novembro chegou a US$ 67.802,30; o ethereum valia US$ 4.800. Eles agora caíram cerca de 58% e 60%, respectivamente, em relação a esses níveis.

As criptomoedas estavam caindo antes mesmo da semana passada, vítimas da inflação altíssima. Bitcoin e outras moedas digitais têm sido mencionadas como hedge (proteção) de inflação. Mas o efeito cascata foi diferente. O aumento da inflação está estimulando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) a aumentar as taxas de juros mais rapidamente, o que os investidores acreditam que causará uma desaceleração no crescimento econômico. O resultado: os investidores estão se desfazendo de ativos de risco, incluindo criptomoedas.

O que também exacerba as perdas é que a negociação de criptomoedas, originalmente um jogo de investidor individual, agora é dominado por investidores institucionais, como fundos de hedge. Aqueles que buscaram diversificação em criptomoedas foram pegos de surpresa.

À medida que o preço caiu, tanto os investidores individuais quanto os institucionais foram se retirando. Quando a Coinbase divulgou seus resultados do primeiro trimestre na terça-feira, revelou que está com uma hemorragia de usuários. No final das negociações de quinta-feira (12), as ações da Coinbase estavam 82% abaixo de onde fecharam após seu primeiro dia de negociação, há pouco mais de um ano.

Com informações de Dow Jones Newswires — Nova York


Você também pode gostar
Leonardo Guimarães Atualizado em 21.maio.2022 às 07h28
Quando o preço do bitcoin vai subir?

Enquanto uns se preocupam com a queda, outros enxergam uma oportunidade

Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 18h53
Bitcoin volta a ser negociado abaixo de US$ 30 mil e investidores se preparam para o pior

O preço do bitcoin recuou mais de 3% nas últimas 24 horas, mas ainda está acima da mínima de US$ 26 mil alcançada no “crash” da semana passada

Anne Dias Publicado em 20.maio.2022 às 11h12
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 17h58
Dólar tem queda de 0,89% com corte de juros na China e acumula baixa de 3,64% na semana

O real seguiu o movimento das moedas de países emergentes nesta sexta (20)