Tesouro Direto hoje: taxas caem após Haddad falar em corte de despesas

Títulos do Tesouro Prefixado e IPCA+ tiveram impactos na rentabilidade após declarações do ministro

As taxas do Tesouro Direto hoje apresentam uma nova queda significativa em relação aos últimos dias. O movimento acontece após o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, falar em corte de despesas para cumprir o arcabouço fiscal.

De acordo com o que afirmou Haddad, o presidente Lula (PT) autorizou o corte de R$ 25,9 bilhões em despesas públicas. Ontem mais cedo, o presidente afirmou que “responsabilidade fiscal é compromisso”, durante um discurso no Palácio do Planalto.

Além dos temores sobre o risco fiscal, a disparada das taxas dos títulos também é atribuída à alta do dólar. Após a fala de Haddad, o dólar opera em queda nesta quinta-feira (4), girando abaixo de R$ 5,50.

As taxas prefixadas dos títulos do Tesouro Direto, que vinham em disparada na última semana, cederam forte em dois dias. A remuneração do Tesouro Prefixado 2027 caiu 0,48 ponto percentual, de 12,10% ao ano para 11,62% ao ano.

No Tesouro IPCA+ 2035 a taxa complementar à inflação caiu 0,28 ponto percentual. Assim, o título que estava pagando IPCA + 6,65% agora está em IPCA + 6,37% ao ano de remuneração atual.

Quando as taxas dos títulos do Tesouro Direto estão mais altas, isso em geral reflete um temor maior com o risco fiscal. Por outro lado, também pode representar uma oportunidade para o investidor contratar uma remuneração de longo prazo também mais alta.

Taxas do Tesouro Direto hoje

Veja as taxas do Tesouro Direto hoje, atualizadas às 17h51 desta quinta-feira.

Leia a seguir

Leia a seguir