WEG (WEGE3) registra alta de 42,5% no lucro do 3º trimestre e supera expectativa do mercado

Mesmo com alta de 24,5% nos custos totais dos bens e serviços, companhia atingiu crescimento de 27,6% na receita e aumento das margens operacionais

A fabricante de motores elétricos e equipamentos WEG reportou lucro líquido de R$ 1,16 bilhão no terceiro trimestre deste ano. O resultado representa uma alta de 42,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. A receita operacional líquida cresceu 27,6% na mesma base de comparação, para R$ 7,91 bilhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) atingiu R$ 1,57 bilhão. O número correponde a uma alta de 37,1%, enquanto a margem Ebitda de 19,8% foi 1,3 ponto percentual, maior do que no terceiro trimestre de 2021.

Os custos totais dos bens e serviços aumentaram 24,5% no terceiro trimestre, para R$ 5,49 bilhões. As despesas operacionais aumentaram 28,3%, para R$ 991,7 milhões e as despesas gerais e administrativas cresceram 19,5%, para R$ 793,0 milhões.

Bons resultados

“Apresentamos mais um trimestre de bons resultados, com destaque para o crescimento consistente das receitas, aliadas ao aumento das margens operacionais, o que nos permitiu a manutenção do retorno sobre o capital investido em nível atrativo”, diz a mensagem da administração em comunicado.

Segundo a empresa, o crescimento forte das receitas no Brasil foi resultado tanto das atividades industriais, motivada por negócios relacionados à commodities, quanto do segmento de geração, transmissão e distribuição (GTD), impulsionado pelos projetos de geração eólica.

Cenário global desafiador

No mercado externo, a demanda de equipamentos industriais para segmentos importantes como óleo e gás, mineração e água e saneamento continuou aquecida, e os resultados foram pouco impactados pela variação do dólar, diz a empresa.

Segundo a empresa, o cenário macroeconômico global continua desafiador, e mesmo com uma boa carteira de pedidos, é importante estar atento aos riscos e incertezas político-econômicas e seus possíveis impactos, especialmente na demanda pelos equipamentos industriais de ciclo curto.

Destaques da WEG, segundo analistas do Itaú BBA

Segundo os analistas do Itaú BBA, a WEG reportou números fortes que superaram a expectativa do mercado, que já era otimista. Os analistas destacam:

  • Mercado interno: a divisão de equipamentos industriais foi o destaque, com crescimento de 18% em relação ao trimestre anterior e de 33% comparado ao ano passado, balizado pela forte demanda dos segmentos de agronegócio e mineração. Já a divisão de GTD (equipamentos para geração, transmissão e distribuição de energia) ficou em linha com o forte patamar observado no segundo e primeiro trimestres do ano. Por último, a divisão de motores para uso doméstico também surpreendeu positivamente, com fortes volumes de bombas e máquinas de lavar;
  • Mercado externo: a receita líquida das vendas para o exterior veio em linha com nossas estimativas, com performances fortes em praticamente todas as regiões, com exceção da Europa. O segmento de equipamentos industriais mostrou expansão de 11% em relação ao trimestre anterior e de 32% comparado ao mesmo período do ano passado. Enquanto isso, as operações de GTD avançaram 8% em relação ao segundo trimestre desse ano e 4% em um ano;
  • Margem Ebitda: a margem Ebitda (que mede a rentabilidade operacional) atingiu 17,5%. Este resultado representa o terceiro trimestre seguido com as margens neste patamar, demostrando que a companhia tem sido capaz de manter sua lucratividade a despeito das pressões de custo.