Vale (VALE3): Negócio de metais básicos claramente é a joia da coroa, diz presidente

Os investimentos previstos pela mineradora no negócio na próxima década podem chegar a US$ 30 bilhões

Um mês após a empresa fechar a venda de 13% do negócio de metais básicos, o presidente da Vale (VALE3), Eduardo Bartolomeo, disse na sexta-feira (25) que a divisão que abriga as operações de cobre e níquel representa a “joia da cora” da mineradora.

“O negócio de metais básicos, claramente, é a joia da coroa”, afirmou Bartolomeo ao participar de evento no litoral de São Paulo.

No fim de julho, a mineradora anunciou a venda, por US$ 3,4 bilhões, de 13% da unidade de metais básicos para a Manara Minerais, da Arábia Saudita, que ficou com 10%, e a empresa de investimento americana Engine No. 1, que adquiriu outros 3%.

Os investimentos previstos no negócio na próxima década são da ordem de US$ 25 bilhões a US$ 30 bilhões.

Só no Brasil, os investimentos devem chegar a R$ 50 bilhões no período, informou Bartolomeo, citando planos de dobrar a produção de cobre, de 450 mil para 900 mil toneladas anuais, e de níquel, de aproximadamente 200 mil para 300 mil toneladas por ano.

Apesar da atenção dada a metais que serão mais consumidos com a maior produção de baterias na transição energética, Bartolomeo considerou que o minério de ferro continua sendo um negócio, conforme palavra sua, “sexy”, por ser insumo do “aço verde”.

“Não vai ter nada sem aço”, assinalou o presidente da Vale.

“O minério é sexy, é necessário e é indutor de desenvolvimento regional, como a Vale sempre fez em sua história”, acrescentou Bartolomeo.

Com informações do Estadão Conteúdo