UBS BB corta preços-alvos de Klabin (KLBN4) e Suzano (SUZB3); recomendação é de compra

Preços da celulose no mercado internacional devem se sustentar até o último trimestre deste ano, com queda a partir de outubro

O UBS BB cortou o preço-alvo de Klabin (KLBN4) de R$ 33 para R$ 28, potencial de alta de 55,4% sobre o fechamento da última sexta-feira, reiterando recomendação de compra. Reduziram também o preço-alvo de Suzano (SUZB3) de R$ 62 para R$ 53, potencial de alta de 24,5%, reiterando recomendação neutra.

Os analistas liderados por Cadu Schmidt escrevem que os preços da celulose no mercado internacional devem se sustentar até o último trimestre deste ano, mas destacam que uma menor demanda e queda na taxa operacional das empresas vão começar a pressionar os preços da fibra curta já em outubro.

“Os gargalos no transporte contribuem para a redução de oferta de celulose desde o início do ano, mas começam a dar sinais de normalização”, afirma o banco. Essa redução nos custos de transporte, que impulsionaria margens das companhias do setor, será mitigada pela redução nos volumes e não sustentam os preços em US$ 600 a tonelada.

A Klabin se mantém como preferência dos analistas no setor, com as dinâmicas de mercado mais resilientes no setor de embalagens. Já Suzano e as chilenas CMPC e Copec, mais expostas ao mercado de celulose, devem sentir a correção nos preços da commodity em suas receitas.