Tesla mira securitização de pelo menos US$ 1 bi lastreado em carros elétricos arrendados

Esta é a oitava emissão de títulos do tipo realizado pela montadora de Elon Musk desde 2018, segundo a Fitch

A Tesla prepara uma securitização de pelo menos US$ 1,021 bilhão de títulos lastreados em ativos (ABS, na sigla em inglês), associados a um conjunto de arrendamentos de carros elétricos produzidos pela empresa, de acordo com documento da Fitch Ratings.

No documento, a agência de avaliação de risco detalha como pretende conceder as notas de créditos para os papéis envolvidos da operação. O montante da securitização pode ser elevado a critério do administrador fiduciário responsável pela transação, de acordo com a Fitch.

As notas serão garantidas por pagamentos de um conjunto de arrendamentos de veículos elétricos (EV) fabricados pela Tesla. Todos os arrendamentos foram originados através da Tesla Finance LLC (TFL), uma subsidiária integral da Tesla que também atuará como prestadora de serviços, segundo a Fitch.

A agência diz que esta é a oitava emissão de títulos lastreados em ativos de arrendamento de automóveis da Tesla desde 2018. A estrutura de capital da operação inclui cinco classes de ativos distribuídas em prazos de vencimentos que vão de 2024 e 2027.

O pool dos ativos subjacentes consiste em mutuários fortes e com boa qualidade de crédito, segundo a Fitch. O pool apresenta maior risco de concentração de modelos em comparação com outras plataformas de locação de luxo devido à linha limitada de modelos da Tesla, já que os três principais modelos da montadora representam 90% do pool.

Leasing de automóveis elétricos

A Tesla começou a originar leasing de automóveis em 2014 com a criação da TFL, a empresa financeira da Tesla na América do Norte.

Portanto, a Fitch observou que os dados empíricos para fins de análise de risco são limitados e a agência complementou a avaliação do desempenho gerenciados pela Tesla com dados proxy de uma plataforma semelhante de locação de veículos de luxo com motor de combustão interna (ICE, na sigla em inglês) para derivar expectativas de perda de crédito e valor residual, o equivalente ao valor contratual garantido em um arrendamento. Mesmo assim, a agência considera que as perdas de crédito e valores residuais da TFL demonstraram um desempenho forte e estável desde o início.

De acordo com a Fitch, as recentes reduções de preços da Tesla, impactando principalmente os Modelos S e X (entre 15%-20%), podem gerar valores residuais mais baixos para a transação 2023-B, mas esses modelos combinados representam 22,0% da base dos ativos. No entanto, a Fitch acredita que o grau de impacto é mitigado pela proteção estrutural e pelas premissas conservadoras de perda adotadas pela agência.

Com informações do Estadão Conteúdo