Lula e Sánchez dizem que acordo Mercosul-UE ainda é possível, mas não dão data

Presidente brasileiro disse que as negociações com a UE não recuaram e que o acerto está pronto para ser assinado, mas que a França tem problemas com seus agricultores

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, disseram nesta quarta-feira (6) que o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia ainda é possível, mas nenhum deles deu uma data sobre a conclusão do acerto. Eles deram as declarações no Palácio do Planalto, em Brasília.

Sánchez está no Brasil para uma visita de Estado. Antes das declarações, ele e Lula tiveram uma reunião bilateral e compromisso com empresários – no pronunciamento o presidente brasileiro disse que nunca tinha recebido a quantidade de banqueiros que tem recebido nos últimos meses.

Lula disse que as negociações com a UE não recuaram. “Nunca avançamos tanto no acordo”, afirmou o presidente brasileiro. Ele disse que o acerto está pronto para ser assinado, mas que a França tem problemas com seus agricultores, que resistem ao acerto.

O presidente brasileiro afirmou ter a informação de que o acordo poderia sair mesmo sem o apoio francês. Destacou que o acerto é necessário por motivos políticos, econômicos e geográficos, e que seria bom para os dois blocos.

Sánchez, um dos principais aliados de Lula na União Europeia, também disse que o acordo faria bem aos dois blocos.
Ele afirmou que a Europa aprendeu depois de a Rússia invadir a Ucrânia que precisa buscar novos aliados.

O primeiro-ministro da Espanha afirmou que o acordo entre Mercosul e União Europeia seria uma “mudança geopolítica global”, e que espera que ele seja assinado.

Com informações do Estadão Conteúdo