Haddad diz que emissão de green bonds vai acontecer nas próximas semanas

A expectativa do mercado é de que a operação seja de cerca de US$ 2 bilhões, recursos que vão turbinar o Fundo Clima

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que a estreia do governo brasileiro no mercado de títulos de dívida internacional com critérios sustentáveis, os chamados “green bonds”, deve acontecer nas próximas semanas.

A operação já foi apresentada a investidores dos Estados Unidos e da Europa e, agora, depende de janela para ser levada a mercado.

A decisão tanto do momento quanto do volume a ser captado depende do Tesouro, conforme Haddad.

A expectativa do mercado é de que a operação seja de cerca de US$ 2 bilhões, recursos que vão turbinar o Fundo Clima.

“Não acredito que o Brasil vai ter qualquer dificuldade na colocação desses títulos que vai abastecer o Fundo Clima e isso vai alavancar investimentos verdes no Brasil”, disse o ministro da Fazenda, a jornalistas, em Nova York, após se reunir com investidores, empresários e representantes de organismos multilaterais.

Haddad disse que o governo Lula busca posicionar o Brasil como um país que produz produtos verdes.

Segundo ele, isso inclui não apenas energia limpa e minerais estratégicos, mas “produtos verdes” e que envolvem uma gama de indústrias como a de tecnologia, têxtil, dentre outros.

Para isso, o Brasil quer atrair mais empresas estrangeiras.

Durante sua viagem a Nova York, o ministro da Fazenda tem defendido a necessidade de mais parcerias tanto com empresas quanto com outros países.

“Nós temos clareza de que isso é possível, convencer empresas nacionais e internacionais a se fixarem no Brasil para o desenvolvimento de produtos verdes”, disse Haddad.

No âmbito de países, o Brasil estuda como se beneficiar da Inflation Reduction Act (IRA, na sigla em inglês), plano climático do presidente dos EUA, Joe Biden, e que prevê US$ 369 bilhões para apoiar a transição energética americana.

Conforme Haddad, o tema estará na agenda da bilateral que Lula terá com o chefe da Casa Branca.

Nas palavras de Haddad, a inserção no IRA pode ser um ‘jogo de ganha-ganha’ dos EUA com o Brasil.

“Nós estamos estudando o Inflation Reduction Act atentamente, detalhadamente e buscando verificar em que condições e com que regras o Brasil poderia estabelecer parcerias com os Estados Unidos, nos valendo dessa legislação e nos valendo das vantagens competitivas que o Brasil tem”, explicou o ministro.

Com informações do Estadão Conteúdo