Petz (PETZ3): Desafios de curto prazo travam valorização, avalia Citi

Banco iniciou cobertura de ações da companhia com recomendação neutra e preço-alvo em R$ 7

O Citi iniciou cobertura de Petz (PETZ3) com recomendação neutra e preço-alvo em R$ 7, potencial de alta de 13,4% sobre o fechamento da última sexta-feira (28). O banco vê uma tese de investimentos com fundamentos robustos de longo prazo, mas com desafios no curto prazo.

Os analistas liderados por João Pedro Soares escrevem que a companhia está inserida em um mercado resiliente e bastante fragmentado, sendo o Brasil o terceiro maior mercado de pets, somente atrás dos Estados Unidos e China, criando várias oportunidades de crescimento.

Além disso, notam que a Petz tem uma marca conhecida, com capilaridade ao redor do Brasil, com mais de 200 lojas, e crescimento robusto de receitas ano a ano. O oferecimento de serviços de veterinária com um viés mais de saúde também é um diferencial dado a mudança no relacionamento dos tutores com os pets.

O banco afirma que a companhia tem desafios no curto prazo, em especial com o momento macroeconômico, que impede expansão de margens, com clientes fazendo compras mais básicas, como ração, deteriorando seu mix de vendas. A integração de aquisições recentes também é um desafio no cenário atual.

Com isso, veem que as ações estão bem precificadas, a múltiplos de 32 vezes o preço-lucro de 2023 e 19 vezes em 2024, com investidores já incorporando nas suas avaliações as oportunidades animadoras de longo prazo e as vantagens competitivas que a Petz tem no setor.