Participação estrangeira no grupo Toyota cresce e cria pressão adicional

A porcentagem de estrangeiros cresceu em nove grandes empresas do grupo

Investidores estrangeiros estão aumentando as participações na Toyota e empresas do grupo em geral, uma tendência que está forçando o grupo a lidar com as demandas de acionistas vocais.

A porcentagem de investidores estrangeiros cresceu em nove grandes empresas do grupo Toyota, de acordo com dados do material da reunião de acionistas divulgados até quinta-feira.

Para a Denso, uma fornecedora de autopeças da Toyota, a proporção de acionistas estrangeiros, incluindo empresas, aumentou cerca de 5 pontos percentuais para 25,3%.

A Toyota, juntamente com as empresas do grupo Aisin e Toyota Industries, vendeu ações da Denso em dezembro do ano passado. Algumas das ações descarregadas foram compradas por investidores no exterior.

“Entendemos que as ações foram transferidas para o exterior para investidores institucionais”, disse um representante da Denso.

Toyota desmembrou ações

Os acionistas da Denso cresceram em cerca de 100 mil investidores do ano passado para 186.536 investidores hoje. A empresa executou um desdobramento de ações em outubro.

Os investidores estrangeiros representavam 25% do total da Toyota Motors no fim de março, ante 21,8% no ano anterior. A Aisin foi de 14,1% para 17,7% no mesmo período, e a Toyota Industries subiu de 21,9% para 23,1%.

Preço das ações da Toyota dobrou

O preço das ações da Toyota dobrou nos 12 meses até março, enquanto o valor das ações da Denso aumentou 50% no mesmo período. Essas duas empresas superaram a valorização de 40% do índice Nikkei, referencial da Bolsa de Tóquio.

À medida que os investidores globais aumentam as participações em ações afiliadas à Toyota, as empresas do grupo estão cada vez mais enfrentando propostas e demandas de fundos de investimento estrangeiros.

A Toyota Industries disse que recebeu propostas de um fundo francês pedindo uma recompra de ações, entre outros itens. Embora o fundo tenha decidido retirar essas propostas, a empresa provavelmente continuará a enfrentar pressão sobre o preço das ações e os custos de capital.

Pressão de investidores

A Toyota Motor apresentará uma proposta de investidores europeus em uma reunião de acionistas em 18 de junho sobre a resposta da montadora às mudanças climáticas. Os investidores dizem que a divulgação de informações da empresa sobre as mudanças climáticas “fica muito aquém das expectativas dos investidores”.

A proposta pede uma emenda ao estatuto corporativo que exigiria relatórios anuais sobre os esforços da Toyota para cortar gases de efeito estufa. Uma proposta semelhante foi enviada no ano passado, mas não foi aprovada com apenas 15,06% de apoio.

Além disso, as principais empresas de consultoria de procuração dos Estados Unidos, Institutional Shareholder Services (ISS) e Glass Lewis, estão recomendando que os acionistas votem contra a recondução do presidente da Toyota Motor, Akio Toyoda, para o conselho de administração.

A ISS e a Glass Lewis são conhecidas por terem um certo nível de influência entre os investidores institucionais globais. A maior proporção de investidores estrangeiros pode afetar a porcentagem daqueles que votam a favor.

Escândalo em teste de emissão

No ano passado, a Toyota Industries foi envolvida em um escândalo crescente de testes de emissões. A Denso e a Aisin também realizaram recalls que pesaram nos lucros. Os acionistas votarão na lista de diretores das duas empresas à luz desses desenvolvimentos.

As empresas do grupo Toyota realizarão assembleias gerais entre 11 e 25 de junho. Yoshihito Kondo, recém-nomeado presidente da Jtekt, fornecedora do grupo Toyota, enfrentará uma votação dos acionistas, assim como Shigeki Terashi, o novo presidente da Toyota Industries.

Com informações do Valor Econômico