Alimentos à base de plantas, hambúrgueres veganos e suplementos: as apostas da Nestlé para crescer vendas em até US$ 27 bi até 2030

A expectativa da empresa é de que as vendas desses produtos aumentem 50% em relação aos níveis de 2022

A gigante suíça de alimentos Nestlé pretende aumentar as vendas de produtos com maior valor nutricional até o fim da década, anunciou a companhia nesta quinta-feira. A expectativa é de que as vendas desses produtos aumentem entre US$ 21,7 bilhões e US$ 27,2 bilhões até 2030, ou 50% em relação aos níveis de 2022.

A meta inclui alimentos à base de plantas, como hambúrgueres veganos, leite em pó, algumas refeições prontas, além de alimentos para bebês, suplementos vitamínicos e minerais. Produtos para pets e fórmulas infantis para bebês de 0 a 12 meses não estão incluídos.

Empresas de alimentos e bebidas têm enfrentado pressão nos últimos anos para melhorar o perfil de saúde de seus portfólios e depender menos de produtos não saudáveis, geralmente ricos em açúcar e gorduras saturadas.

Escala da saúde

No ano passado, a Nestlé começou a usar um sistema internacional chamado HSR, que classifica o perfil nutricional de produtos embalados em uma escala que vai de meia estrela a cinco estrelas com base na quantidade de componentes específicos, incluindo energia, gordura saturada, açúcares totais, sódio, proteína, fibra alimentar e o teor de frutas, legumes, castanhas e leguminosas.

Uma pontuação de 3,5 estrelas ou mais indica que o alimento é saudável, de acordo com o sistema. Em seu relatório de 2022, a Nestlé afirmou que, excluindo ração para pets, 37% da receita provinha de produtos alimentícios e de bebidas com uma classificação de 3,5 estrelas ou mais, enquanto 43% provinha de produtos com classificação inferior a 3,5 estrelas.

Outros 20% das vendas eram de produtos de nutrição especializada, que não são abrangidos pelo sistema e incluem alimentos infantis e nutrição médica.

Com informações do Estadão Conteúdo.