Em dois dias, Braskem (BRKM5) perde quase R$ 2 bi na Bolsa com crise ambiental em Maceió

Após fechar no dia anterior em queda de 6,25%, as ações da Braskem chegaram a desabar 9,25% na mínima do dia

As ações da Braskem (BRKM5) registraram mais um dia de forte queda na bolsa nesta sexta-feira (1), após a Defesa Civil de Maceió emitir uma ordem de alerta máximo para o colapso da mina de sal-gema da empresa, localizada principalmente no bairro do Mutange, na capital alagoana.

Após fechar no dia anterior em queda de 6,25%, as ações da Braskem encerraram a sexta-feira negociadas a R$ 18,01, queda de 5,85%. Na mínima do dia, os papéis desceram até 9,25%.

Segundo dados do consultor Einar Rivero, o risco ambiental faz a petroquímica Braskem perder R$ 1,970 bilhão em valor de mercado nos últimos dois pregões. Os investidores se preocupam com o aumento do passivo da Braskem e, como consequência, o peso da notícia nas negociações para venda da fatia da Braskem pela Novonor.

No final da tarde desta sexta-feira, a Defesa Civil de Maceió afirmou que a mina da Braskem está se aprofundando a uma velocidade de 2,6 centímetros por hora. Nas últimas 48 horas, o deslocamento vertical superou 1,4 metro.

Problema da Braskem (BRKM5) é antigo

O problema envolvendo a mina da Braskem em Maceió data de 2018. A empresa explora um insumo chamado sal-gema, que é usado na fabricação de cloro, soda cáustica, ácido clorídrico e bicarbonato de sódio.

Para retirar a matéria-prima, o método de exploração da Braskem consiste na utilização de um poço cavado, que introduz água na camada de sal, resultando na formação da salmoura. Durante o processo, no entanto, aconteceu um afundamento do solo que atingiu cinco bairros da capital alagoana.

braskem, afundamento mina, maceió, alagoas
Aviso emitido pela Defesa Civil de Maceió via SMS para os celulares, provocou correria e interdições nas imediações das áreas desocupadas do Mutange. Foto: Guido Junior/Foto Arena/Estadão Conteúdo

Passivo seria de R$ 30 bilhões

O governo de Alagoas disse que as consequências do desastres ambientais causados pela Braskem (BRKM5) em Maceió gerariam um passivo em torno de R$ 30 bilhões da petroquímica, conforme estudo recém-concluído.

Os desastres causados pela empresa, em meio a tratativas sobre a venda de parte da Braskem para o fundo árabe ADNOC, tem se agravado. Segundo o governo, há previsão de formação de crateras em bairros centrais a qualquer momento.

“O Estado reitera a sua posição irredutível em defesa dos interesses de Alagoas, dos municípios da região metropolitana de Maceió e de cerca de 150 mil vítimas do maior crime ambiental urbano do mundo, provocado pela petroquímica, que vem sendo acompanhado pelo Grupo de Trabalho de Combate ao Crime da Braskem”, afirma.

A gestão disse ainda que, por meio do fato relevante, tenta advertir as autoridades federais da preocupação. “Há firme intenção de ir às últimas consequências institucionais e legais para fazer prevalecer os direitos dos credores alagoanos, já supracitados, que sorrateiramente se tenta ignorar.”

Em documento, o governo também ressalta que não se opõe à venda da empresa, mas diz que é preciso equacionar o passivo em Alagoas antes e que, para isso, estão abertas à negociação. “Porém, é preciso estabelecer um modelo de acordo adequado diante do tamanho da realidade do desastre, e não como tem sido a recorrente postura da Braskem de ofertar valores vis.”

Com informações do Estadão Conteúdo