Acionistas estrangeiros da Petrobras (PETR4) tentam convocação de assembleia extraordinária

Uma nova assembleia coloca em risco o mandato de todos os conselheiros eleitos pelo voto múltiplo, entre os quais todos aqueles que representam o acionista majoritário, a União, inclusive Magda Chambriard

Uma iniciativa de acionistas estrangeiros busca reunir 1% do capital da Petrobras (PETR4) para pedir à secretaria geral da companhia a convocação de uma assembleia geral extraordinária.

Até o final da tarde desta quarta feira, este percentual ainda não havia sido atingido. Uma nova assembleia colocaria em risco o mandato de todos os conselheiros eleitos pelo voto múltiplo, entre os quais todos aqueles que representam o acionista majoritário, a União, inclusive Magda Chambriard, escolhida para presidir a companhia.

Além da futura presidente, terão seus mandatos em xeque no Conselho de Administração Pietro Mendes, que preside o colegiado, Renato Galuppo, Bruno Moretti, Rafael Dubeaux, Vitor Saback, além de dois conselheiros minoritários, Marcelo Gasparino e Juca Abdalla.

A decisão dos investidores foi motivada pela apreensão em torno do futuro da companhia depois da demissão de Jean Paul Prates e das ameaças que pesam sobre a governança com as mudanças internas na composição dos comitês do Conselho de Administração.

O pedido é baseado na resolução 70 da Comissão de Valores Mobiliários, baseada no artigo 123 da Lei das S.A, que franqueia o pedido a detentores de 1% de ações ordinárias ou preferenciais.

Com informações do serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico