Itaú vê espaço para aumentar remuneração a acionistas

Presidente do banco, Milton Maluhy Filho, disse que não há intenção de reter capital

O Itaú Unibanco (ITUB4) sinalizou nesta terça-feira ver espaço para aumentar a remuneração a acionistas.

“Há espaço para aumento do payout do banco”, disse o presidente-executivo do banco, Milton Maluhy Filho, durante teleconferência sobre os resultados do segundo trimestre.

O payout é a parte do lucro que uma empresa distribui aos seus acionistas na forma de dividendos e juros sobre o capital próprio.

No ano passado, esse índice do Itaú correspondeu a 27,2% do lucro gerencial, abaixo da média histórica da instituição, superior a 30%.

“Nosso objetivo não é reter capital”, acrescentou Maluhy Filho, referindo-se ao capital prudencial reservado, em torno de 15%, acima do piso regulatório e do nível que o banco estabeleceu para ele mesmo, de 13%.

O Itaú anunciou na noite de segunda-feira (7) que seu lucro de abril a junho somou R$ 8,74 bilhões, um aumento de 13,9% ante o mesmo período de 2022.

Crédito

Esse resultado foi apoiado sobretudo no crescimento dos empréstimos, especialmente em linhas como a do crédito pessoal.

Segundo Maluhy Filho, a concessão de crédito pelo Itaú deve acelerar neste segundo semestre, dado o cenário mais benigno com medidas do Ministério da Fazenda e do Banco Central, que equilibraram as políticas fiscal e monetária.

Na outra ponta, a expectativa do banco é manter a qualidade do nível da carteira, como mostraram os índices de inadimplência no segundo trimestre.

Isso permitirá, disse o executivo, que o banco mantenha os mesmos níveis de provisão para perdas esperadas com calotes registrados entre abril e junho.

Em outra frente, o banco prevê também um ganho de tração nas operações de mercado de capitais, na esteira do início do ciclo de cortes da taxa básica de juros.

Na semana passada, o BC cortou a Selic em 0,5 ponto, para 13,25% ao ano, e sinalizou outras reduções da mesma intensidade nas próximas reuniões.

Maluhy Filho disse que o banco já renegociou mais de 200 mil contratos e desnegativou 630 mil CPFs no âmbito do Desenrola.

Problema técnico

Maluhy Filho também pediu desculpas pelo evento ocorrido da véspera, quando um problema técnico deixou inativos os sistemas do banco para clientes durante boa parte do dia.

“Ficamos chateados e pedimos desculpas aos clientes”, afirmou o executivo, acrescentando que o evento durou mais tempo do que o banco imaginava. Ele acrescentou que o banco busca aprender com os problemas. “Espero que a gente aprenda com eles.”