Mercado hoje: Ibovespa firma queda com pressão externa e escolhas para Fazenda

Após dados econômicos ainda positivos, investidores temem que o Fed possa avançar ainda mais no seu ciclo de aperto monetário

Após avançar nos três primeiros pregões da semana, o Ibovespa caminha para fechar a quinta-feira (22) em queda, sendo pressionado pelo tombo das bolsas de Nova York. Após dados econômicos ainda positivos, investidores temem que o Fed possa avançar ainda mais no seu ciclo de aperto monetário.

Além disso, os investidores olham para a composição da econômica do próximo governo.

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), anunciou oficialmente nesta quinta-feira o auditor fiscal Rogério Ceron como secretário do Tesouro Nacional e o advogado Robinson Barreirinhas como secretário da Receita Federal, além de outros dois secretários.

O anúncio de novos ministros pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também foi acompanhado de perto, em um dia de agenda de indicadores sem tanta relevância no Brasil e no exterior.

Por volta das 16h30, o Ibovespa operava em queda de 0,50%, a 106.901 pontos. O início do pregão havia sido de alta, mas a tendência se inverteu com o noticiário político e as quedas no exterior.

Dólar

Lá fora, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar contra uma cesta de outras seis divisas principais, operava em alta de 0,38%, aos 104,56 pontos.

Em relação ao real, dólar caía 0,42%, cotado a R$ 5,1792.

Definição de ministérios

Por aqui, a apresentação de ministros que irão compor o gabinete de Lula também estava na agenda dos investidores.

O presidente eleito anuncia novo grupo de ministros, com Alckmin, Wellington Dias, Luiz Marinho e Anielle Franco dentre os 16 novos nomes.

O futuro ministro da Casa Civil, Rui Costa, adiantou que os titulares dos ministérios do Planejamento e do Meio Ambiente não seriam informados hoje. “Precisa de mais tempo [para definir]”, explicou.

Secretários da Fazenda

O novo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também movimentou o cenário com o anúncio de quatro secretários para o primeiro escalão de sua equipe. O auditor fiscal Rogério Ceron foi indicado como secretário do Tesouro Nacional e o advogado Robinson Barreirinhas terá o comando da Receita Federal.

Também foram anunciados Guilherme Melo como secretário de Política Econômica e Marcos Barbosa Pinto, responsável pela Secretaria de Reformas Econômicas.

Novo arcabouço fiscal

Vale apontar, ainda, que Haddad reafirmou ontem sua intenção de enviar ao Congresso uma proposta para o novo arcabouço fiscal, que substituirá o teto de gastos, ainda no primeiro semestre do próximo ano.

De acordo com a PEC da Transição, o novo governo terá até 31 de agosto para apresentar um projeto de lei complementar com a proposta de âncora fiscal. Até lá, é possível que os níveis de prêmio de risco nos ativos locais permaneçam elevados, diante da incerteza sobre a sustentabilidade da dívida.