Hypera (HYPE3): Lucro líquido soma R$ 465,6 milhões no 3ºtri, alta de 131% na base anual

Empresa destaca que o período entre julho e setembro marcou a sua entrada no mercado de canabidiol

A Hypera Pharma registrou lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 465,6 milhões no terceiro trimestre. O resultado representa uma alta de 131% em relação ao mesmo período de 2021. Já o lucro líquido das operações continuadas cresceu 1,06% e somou R$ 469,6 milhões. O resultado veio 6,6% acima dos R$ 440,95 milhões previstos pelo mercado.

A receita líquida aumentou 24,7% no período, para R$ 2,35 bilhão. Este é o maior patamar já registrado pela companhia em um trimestre, de acordo com seu informe de resultados.

O desempenho foi impulsionado principalmente pelo crescimento de 17,3% do “sell-out orgânico”. Isto considera o preço médio de compra pelas farmácias e redes, em linha com o crescimento apresentado pelo varejo farmacêutico e pelo crescimento registrado no Mercado Institucional.

A venda ao consumidor final, o chamado “sell-out”, alcançou crescimento de 21,7%, número 4,1 pontos percentuais acima do mercado, de acordo com a empresa em comunicado. A empresa atribui o resultado às suas iniciativas para impulsionar o crescimento sustentável, com destaque para a aceleração do ritmo de lançamentos nos últimos anos, o aumento da capacidade de produção e os investimentos em suas marcas líderes do varejo farmacêutico.

O lucro antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (Ebitda) das operações continuadas – que exclui a contribuição de outras receitas e despesas operacionais líquidas – somou R$ 723,6 milhões, alta de 27% em relação ao terceiro trimestre do ano anterior, com margem Ebitda de 35,5%, avanço de 0,6 ponto percentual na mesma base comparativa.

A empresa destacou ainda que o período entre julho e setembro marcou a sua entrada no mercado de canabidiol, com o lançamento do primeiro medicamento à base de “canabidiol full spectrum”. “Cabe destacar que a Hypera Pharma é a primeira grande indústria farmacêutica brasileira a lançar esse medicamento no Brasil”, diz a empresa em comunicado.

Em produtos de prescrição, os destaques foram o Picbam, primeiro medicamento à base de apixabana lançado no mercado brasileiro após queda de patente para a prevenção de trombose venosa, o Ondif, para o mercado de prevenção e tratamento de náuseas, e o Aviv, indicado para o tratamento de Transtorno Depressivo Maior (TDM).