Fundo conservador do Nubank sofre nova perda, de 0,19%, nesta terça-feira

A queda deve continuar assustando muitos dos 1,3 milhão de investidores do maior fundo do país em número de cotistas

Com uma nova redução no valor de mercado das debêntures da Americanas, o Nu Reserva Imediata, fundo conservador do banco digital Nubank, sofreu uma nova perda nesta terça-feira (17), desta vez de 0,19%. A queda deve continuar assustando muitos dos 1,3 milhão de investidores do maior fundo do país em número de cotistas, que se depararam com a renda fixa tendo rentabilidade negativa pela primeira vez na semana passada.

O Nu Reserva Imediata acumulou perda de 0,99% nos últimos três dias, mas ainda deve fechar no positivo em janeiro. O recuo havia sido de 0,75% na última sexta-feira (13), com os administradores atualizando os preços das debêntures a 50% do valor de face, ou seja, metade do valor original. Contudo, o cenário piorou nos últimos dias e houve uma nova redução no valor de mercado dos papéis, o que reflete a evolução do caso.

A Americanas informou hoje, por exemplo, que não irá pagar juros de debêntures que estavam previstos para ontem. A companhia conseguiu uma liminar na Justiça que suspende os efeitos de cláusulas contratuais que imponham o vencimento antecipado de dívidas e a exigibilidade de obrigações relativas aos instrumentos financeiros.

Com a nova redução no valor de mercado das debêntures da Americanas, outros fundos de renda fixa esses títulos na carteira, e não apenas o produto do Nubank, também devem sofrer.

O caso do produto do banco digital chamou mais atenção porque o Nu Reserva Imediata é vendido como um investimento seguro para quem quer construir uma reserva de emergência, mas tem um percentual razoável do fundo com exposição a crédito privado – tanto bancário como de títulos emitidos por empresas, sendo os papéis da Americanas um dos que estavam na carteira.