Poupança: saques superam depósitos em R$ 6 bilhões em março, diz Banco Central

Em 2022 como um todo, a modalidade teve o maior resgate anual da série, foram R$ 103,237 bilhões

Os saques em caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 6,087 bilhões em março, segundo divulgado há pouco pelo Banco Central (BC).

Em janeiro, a poupança havia registrado a maior retirada líquida da série histórica calculada desde 1995, com R$ 33,631 bilhões. Em fevereiro, por sua vez, a saída foi de R$ 11,515 bilhões.

Depósitos e saques

No mês passado, os brasileiros depositaram R$ 327,659 bilhões e sacaram R$ 333,747 bilhões da poupança. Em março do ano passado, a caderneta teve captação líquida – diferença entre entradas e saídas – negativa em R$ 15,356 bilhões.

Em 2022 como um todo, a modalidade teve o maior resgate anual da série, foram R$ 103,237 bilhões. No período, houve entrada líquida apenas em maio, de R$ 3,514 bilhões, e em dezembro, de R$ 6,259 bilhões.

O resultado de março se somou ao rendimento de R$ 5,543 bilhões creditados no período. Além disso, no mês passado, os recursos da caderneta aplicados em crédito imobiliário (SBPE) registraram saque líquido de R$ 5,665 bilhões. No caso do crédito rural (SBPR), houve saída de R$ 422,356 milhões.

Abaixo de R$ 1 tri

Após uma série de resultados negativos, o saldo total da poupança continuou abaixo de R$ 1 trilhão em março, totalizando R$ 967,495 bilhões.

A poupança ainda é o investimento favorito dos brasileiros, mas rende menos que outros ativos seguros

Em agosto de 2020, diante de desempenho significativamente positivo por vários meses seguidos em função da pandemia de covid-19, a caderneta superou a marca de R$ 1 trilhão e permaneceu no patamar até julho do ano passado.