Japão vai subsidiar contas de energia para lidar com inflação alta

O plano deve custar cerca de US$ 170 bilhões

O Japão vai subsidiar cerca de 20% das contas de eletricidade do país no início do próximo ano com um novo pacote econômico que busca conter a alta da inflação, segundo uma fonte ligada ao assunto nesta quarta-feira.

O plano deve custar cerca de 25 trilhões de ienes (US$ 170 bilhões), cujos detalhes serão anunciados nesta sexta-feira. A redução das contas de eletricidade de residências japonesas em 7 ienes por quilowatt-hora será um dos principais pilares do pacote.

Para as empresas, o governo fornecerá um subsídio de 3,5 ienes por quilowatt-hora, segundo a fonte.

Além da eletricidade, o plano prevê o abono de cerca de 900 ienes (US$ 6,12) em taxas de gás, com o governo fornecendo desconto de 30 ienes (US$ 0,20) por metro cúbico de consumo.

O governo pretende estender o programa de subsídios além de dezembro do ano que vem, mas em um valor reduzido, disse a fonte.

O primeiro-ministro Fumio Kishida instruiu as autoridades a elaborar o novo pacote econômico com foco em mitigar os impactos da inflação nas contas das famílias japonesas, estimulando o crescimento salarial e acelerando uma economia que ainda se recupera da pandemia.