Inflação na zona do euro sobe 9,2% em 2022, em linha com o esperado

Os preços na região mostraram desaceleração entre novembro, quando o resultado foi de 10,1%, e o último mês do ano

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) na zona do euro registrou alta de 9,2% no mês de dezembro, no acumulado de 12 meses, conforme divulgou na manhã desta quarta-feira a Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia.

O resultado ficou em linha com o consenso projetado por economistas consultados pelo “The Wall Street Journal” e com a leitura preliminar e desacelerou em relação ao resultado de 10,1% registrado em novembro.

Na relação mês a mês, o CPI do mês de dezembro registrou queda de 0,4%. O consenso projetado pelo “The Wall Street Journal” e pela leitura preliminar era de uma retração de 0,3%.

Núcleo da inflação sobe 5,2%

Já o núcleo do CPI registrou alta de 5,2% em base anual, em linha com a leitura preliminar e com o consenso, com ligeira aceleração em relação ao resultado de novembro, de 5%. Na margem, o indicador registrou alta de 0,6%, também em linha com o consenso e a leitura preliminar.

Segundo a Eurostat, a maior contribuição para a taxa de inflação veio do setor de alimentação, álcool e tabaco, seguido de energia, serviços e bens industriais não energéticos.

Espanha e França têm inflações menores

As taxas mais baixas de inflação foram registradas na Espanha (+5,5%), Luxemburgo (+6,2%) e França (+6,7%). Já as maiores taxas de inflação foram contabilizadas na Hungria (+25.0%), Letônia (+20,7%) e Lituânia (+20,0%).