IF Hoje: PIB vai mostrar se recuperação da economia no Brasil vai se sustentar

Expectativas dos analistas variam de um crescimento da economia de 2,3% a 2,9%
Pontos-chave:
  • Resultado positivo do PIB deve ser puxado pelo desempenho do setor de serviços
  • Veja previsões de 41 bancos e instituições para a economia

Sai nesta quinta-feira (1) o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro do segundo trimestre do ano, divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Na quarta (31), os analistas se animaram com os dados sobre mercado de trabalho – a taxa de desemprego no país caiu para 9,1% em julho, a menor desde dezembro de 2015 –, e agora os números sobre a atividade econômica devem indicar se a recuperação está se construindo sobre uma base sólida.

A previsão de bancos e instituições financeiras e de pesquisa é de um crescimento do PIB entre 0,6% e 1,4%, segundo levantamento da Bloomberg feito entre 19 e 30 de agosto.

O resultado do período deve ser puxado por um crescimento no setor de serviços, que saltou quase 9% na primeira metade do ano. Segmentos como bares, restaurantes, serviços de beleza e estética e de turismo têm apresentado forte recuperação após as restrições da pandemia.

O setor de serviços é o mais importante da economia, responde por cerca de 70% do PIB do Brasil e é o maior empregador do país. Considerado uma prévia do PIB, o IBC-Br, divulgado pelo Banco Central, cresceu 0,57% no segundo trimestre.

E na semana de divulgação do desempenho da economia nos meses de abril a junho, o mercado financeiro melhorou os prognósticos para o PIB de 2022, de 2,02% na semana passada para 2,10%. Já a previsão para 2023, que deve ter uma expansão bem mais modesta, caiu de 0,39% para 0,37%, de acordo com o relatório Focus publicado pelo Banco Central (BC) na segunda-feira.

O PIB cresceu 1,0% no primeiro trimestre de 2022 (comparado ao quarto trimestre de 2021), na série com ajuste sazonal. Frente ao mesmo trimestre de 2021, o PIB apresentou crescimento de 1,7%. No acumulado nos quatro trimestres, terminados em março de 2022, o PIB cresceu 4,7%, comparado aos quatro trimestres imediatamente anteriores. No primeiro trimestre de 2022, a taxa de investimento foi de 18,7% do PIB, abaixo da observada no mesmo período de 2021 (19,7%).

Confira abaixo as estimativas dos bancos para o PIB do 2º tri

  • Banco Central (IBC-Br): 0,57%
  • Fundação Getúlio Vargas: 1% (em 24/08/2022)
  • Banco Safra: 0,8% (em 26/08/2022)
  • Itaú Unibanco: 1,1% (em 26/08/2022)
  • Banco Santander Brasil: 1,1% (26/08/2022)
  • XP Investimentos: 1% (29/08/2022)
  • Banco BTG Pactual: 1% (29/08/2022)
  • Banco JP Morgan: 0.9% (26/08/2022)
  • Banco Votorantim: 0,9% (26/08/2022)
  • Societe Generale Gsc Pvt: 0,7% (26/08/2022)
  • UBS BB Investiment Bank: 1,3% (26/08/2022)
  • Banco BNB Paribas Brasil: 1% (26/08/2022)
  • Bofa Securities: 1,1% (29/08/2022)
  • Barclays Capital: 0,9% (29/08/2022)
  • Banco C6: 1,4% (26/08/2022)
  • Votorantim Asset Mgmt Dtvm: 1,1% (26/08/2022)
  • Austing Rating Serviços Financeiros: 0,7% (em 19/08/2022)

Agenda do dia

  • 6h – Zona do Euro: Taxa de desemprego
  • 9h: PIB (2º trimestre), do IBGE