Greve em São Paulo: Sabesp (SBSP3) descarta interrupção no abastecimento de água

Paralisação de funcionários ocorre diante do movimento do governo estadual para privatização da companhia

O governo atua nas esferas administrativa e judicial para que a greve em São Paulo, promovida nesta terça-feira (3), não prejudique a população, afirmou a Sabesp (SBSP3) em nota.

A companhia classificou, portanto, como ilegal a paralisação que envolve também a CPTM e o metrô. Os grevistas protestam contra a privatização de estatais paulistas.

A Justiça determinou a manutenção de 85% do contingente da Sabesp, sob pena de multas diárias de até R$ 500 mil aos sindicatos, ainda de acordo com o pronunciamento da empresa.

No caso do transporte sobre trilhos, a determinação é de funcionamento de 100% dos nos horários de pico e 80% nos demais períodos.

“A gestão estadual aguarda que as categorias cumpram as decisões judiciais para que os direitos da população sejam preservados”, diz a nota enviada à imprensa.

O sindicato de trabalhadores da Sabesp informou, então, ao Estadão/Broadcast que não haverá interrupção no abastecimento de água durante a greve.

Privatização encaminhada

A privatização da Sabesp tem sido uma das principais bandeiras da gestão do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas. Nos últimos meses, a companhia e o poder estadual tem anunciado medidas que indicam o avanço do processo.

Entre elas, a escolha do modelo de follow-on.

A intenção do governo é que o projeto de lei que permite a privatização da Sabesp seja enviado à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) até outubro para realizar a desestatização no primeiro semestre de 2024.

Tarcísio afirmou recentemente que a desestatização está em curso e que a privatização da Sabesp será a maior do país nos próximos anos.

Com informações do Estadão Conteúdo