Gigante chinesa que opera na Nasdaq cortará salário de executivos para garantir benefício a funcionários

Limitações no setor de tecnologia fizeram com que uma das maiores empresas da China, a JD, com ações na Nasdaq, aplicasse um severo ajuste interno

A gigante chinesa do comércio eletrônico JD disse à sua equipe que cortará os salários dos executivos para melhorar os benefícios dos funcionários e aliviar a pressão financeira, já que as empresas de tecnologia enfrentam uma economia mais fraca.

A JD, com sede em Pequim, reduzirá as remunerações de cerca de 2 mil gerentes seniores em 10% a 20% a partir do próximo ano, com cortes mais acentuados para executivos de nível superior, de acordo com uma carta de Richard Liu, o bilionário fundador da empresa, enviado à equipe e que o “The Wall Street Journal” teve acesso.

Por volta das 15h20, horário de Brasília, as ADRs da JD caíam 1,64% na Nasdaq com relação ao fechamento do dia anterior.

Promessa de restauração dos salários

Na carta, Liu se desculpou por cortar seus salários e prometeu restaurá-los se a JD pudesse voltar a crescer rapidamente nos próximos dois anos. Um porta-voz da empresa confirmou a autenticidade da carta.

As empresas de tecnologia em todo o mundo sentiram os impactos da desaceleração da demanda e da crescente incerteza econômica depois que o aumento da pandemia diminuiu, levando algumas a fazer demissões enquanto simplificavam os negócios para reduzir custos e aumentar os lucros.

Crescimento lento em tecnologia

Na China, as empresas de tecnologia, incluindo o maior rival do JD, Alibaba Group Holding, relataram um crescimento mais lento da receita, com os gastos do consumidor atingidos pelas contínuas políticas de covid zero de Pequim.

A JD reverteu prejuízo e voltou a lucrar no terceiro trimestre, com crescimento de 11% na receita que os executivos atribuíram ao foco em seus principais negócios e à redução de custos.

Ainda assim, eles alertaram os investidores em teleconferência sobre interrupções de curto prazo na logística e no atendimento por causa das rigorosas medidas de contenção da covid-19 no país, bem como gastos menores dos consumidores.

Foco na “prosperidade comum”

A decisão da JD também veio alguns dias depois que o presidente chinês, Xi Jinping, reiterou seu foco estratégico na “prosperidade comum”, sua política econômica característica destinada a redistribuir a riqueza da China.

A campanha sustentou muitas das políticas de Xi, incluindo o aperto regulatório às principais empresas de tecnologia do país.

Programas internos

Na carta, Liu também disse que a JD adicionará 10 bilhões de yuans (US$ 1,4 bilhão) a um programa da empresa que oferece empréstimos sem juros para a compra de casas para funcionários que estão na empresa há pelo menos cinco anos.

A JD oferece até 1 milhão de yuans para cada funcionário que se inscreveu desde 2012.

A empresa chinesa também expandirá a cobertura do seguro social para mais de 100 mil trabalhadores em uma unidade logística adquirida em julho, segundo a carta. Atualmente, a empresa conta com mais de 540 mil funcionários.

“O plano de melhoria dos benefícios dos funcionários está sendo promovido, com foco no pessoal da linha de frente”, disse um porta-voz da empresa.

Liu deixou o cargo de diretor-presidente da JD em abril para se concentrar nas estratégias de longo prazo da empresa, juntando-se a outros bilionários do setor de tecnologia que fizeram o mesmo, em meio ao ambiente regulatório mais rígido de Pequim.