FMI critica EUA por aumento das tarifas a bens produzidos pela China

Comentários foram feitos depois que Joe Biden anunciou que seu governo decidiu introduzir tarifas mais altas sobre as exportações chinesas de veículos elétricos, semicondutores e minerais

O Fundo Monetário Internacional (FMI) criticou a decisão da administração Biden de aumentar agressivamente as tarifas sobre alguns produtos chineses, com um alerta de que as tensões entre as duas principais economias do mundo correm o risco de prejudicar o comércio e o crescimento globais.

“Os EUA seriam mais bem servidos se mantivessem políticas comerciais abertas que têm sido vitais para o seu desempenho econômico”, disse a porta-voz do FMI, Julie Kozack, nesta quinta-feira, em Washington, quando questionada sobre a medida no início desta semana. Uma fragmentação deste tipo pode ser muito dispendiosa para a economia global, disse ela.

Os comentários foram feitos depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou que seu governo decidiu introduzir tarifas mais altas sobre as exportações chinesas de veículos elétricos, semicondutores e minerais para os EUA.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgvieva, disse no mês passado que “todos os olhos estão voltados para os EUA”, à medida que o fundo se torna cada vez mais veemente nas críticas ao seu maior acionista pelo impacto global das suas políticas.

Com informações do Valor Pro, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico