Dívidas atreladas à inflação preocupam governos e empresas no mundo

O que serviu como financiamento barato no passado, rapidamente ficou mais caro. Governos pagarão US$ 2,2 trilhões em juros este ano, estima a Fitch Ratings

Governos e empresas em todo o mundo passaram décadas carregando trilhões de dólares em dívidas cujos custos de juros oscilam junto com a inflação. Mas o que serviu como financiamento barato, quando os preços estavam estagnados, rapidamente ficou mais caro.

A dor de cabeça ligada à inflação ecoa os desafios mais amplos que surgem no final de mais de uma década de dinheiro fácil global, em que os devedores emprestavam quantias a taxas de juros muito baixas e, às vezes, negativas.

Investidores estão em alerta para vulnerabilidades financeiras depois de uma crise nos bancos regionais dos Estados Unidos neste ano, e com tensões surgindo em propriedades comerciais.

Aumento já é sentido nos preços de empréstimos para governos

Preços de empréstimos de todo o tipo têm crescido fortemente para governos, empresas e consumidores, à medida que os bancos centrais aumentaram as taxas de juros para combater as pressões sobre os preços. As taxas subiram nos empréstimos atrelados à inflação, mas essas não são a única fonte de dor.

À medida que os títulos padrão com taxas fixas vencem, eles precisam ser substituídos por novas dívidas mais caras. Enquanto isso, as taxas de juros dos empréstimos são frequentemente flutuantes, o que significa que refletem rapidamente as mudanças nas taxas de juros.

Dívida pode chegar a US$ 2,2 trilhões este ano

Os governos pagarão cerca de US$ 2,2 trilhões em juros gerais da dívida este ano, estima a Fitch Ratings. Eles tinham US$ 3,5 trilhões em dívidas atreladas à inflação pendentes no final de 2022, de acordo com o Banco de Compensações Internacionais, o equivalente a cerca de 11% de seus empréstimos totais.

Com informações do Estadão Conteúdo