China: fraca recuperação econômica sinaliza preocupação para o mundo

Se no passado era comum expandir de 6% a 8% ao ano, a China poderá em breve estar caminhando para um crescimento de apenas 2% ou 3%
Pontos-chave:
  • A era de crescimento rápido da China chegou ao fim
  • A recuperação do covid-19 está estagnada
  • A China enfrenta problemas profundos e estruturais em sua economia

A era de crescimento rápido da China chegou ao fim. A recuperação do covid-19 está estagnada. E agora o país enfrenta problemas profundos e estruturais em sua economia.

A perspectiva era melhor há apenas alguns meses, depois que Pequim suspendeu os controles draconianos da política de covid-zero, desencadeando uma enxurrada de gastos, com as pessoas voltando a comer fora e a gastar com viagens.

Mas, à medida que o efeito da reabertura passa, os problemas subjacentes da economia chinesa que vêm se acumulando há anos voltam a ficar evidentes.

Fim do boom imobiliário

O boom imobiliário e os investimentos excessivos do governo que impulsionaram o crescimento por mais de uma década, acabaram. Enormes dívidas estão prejudicando as famílias e os governos locais. Algumas famílias, preocupadas com o futuro, estão acumulando dinheiro.

As repressões do líder chinês Xi Jinping às empresas privadas desestimularam a tomada de riscos, enquanto a deterioração das relações com o Ocidente — exemplificada por uma nova campanha contra as empresas internacionais de due diligence e consultoria — está sufocando o investimento estrangeiro.

Os economistas dizem que o agravamento desses problemas estruturais está prejudicando as chances da China ampliar o milagre do crescimento que a transformou em rival dos EUA em termos de poder e influência global.

Se no passado era comum expandir de 6% a 8% ao ano, a China poderá em breve estar caminhando para um crescimento de apenas 2% ou 3%, segundo alguns economistas. O envelhecimento da população e a redução da força de trabalho agravam suas dificuldades.”

China poderá impulsionar menos o crescimento global

A China poderá impulsionar menos o crescimento global neste ano e nos anos seguintes do que muitos líderes empresariais esperavam, tornando o país menos importante para algumas empresas estrangeiras e com menor probabilidade de superar significativamente os EUA como a maior economia do mundo.

“A recuperação decepcionante de hoje realmente sugere que alguns dos obstáculos estruturais já estão em jogo”, disse Frederic Neumann, economista-chefe para a Ásia do HSBC.

A economia da China expandiu-se a uma taxa anual de 4,5% no primeiro trimestre, impulsionada pelo fim das restrições da era covid-zero.

No entanto, sinais mais recentes sugerem que esse renascimento está perdendo força. As vendas no varejo aumentaram apenas 0,5% em abril em comparação com março. Um conjunto de dados sobre produção industrial, exportações e investimentos foi muito mais fraco do que os economistas esperavam.

Mais de um quinto dos jovens chineses com idade entre 16 e 24 anos estava desempregada em abril. Os gigantes do comércio eletrônico Alibaba e JD.com relataram lucros fracos no primeiro trimestre. O Índice Hang Seng de Hong Kong, dominado por empresas chinesas, caiu 5,2% no acumulado do ano, e o yuan se enfraqueceu em relação ao dólar norte-americano.

A maioria dos economistas não espera que os problemas da China levem a uma recessão ou inviabilizem a meta de crescimento do governo de cerca de 5% este ano, que é amplamente considerada como facilmente alcançável dada a fraqueza da economia no ano passado.

McDonald’s, Starbucks, Ralph Lauren e boom de veículos elétricos

McDonald’s e Starbucks disseram que estão abrindo centenas de novos restaurantes na China, enquanto os varejistas, incluindo a Ralph Lauren, estão lançando novas lojas.

Um boom na produção de veículos elétricos permitiu que a China ultrapassasse o Japão como o maior exportador de veículos do mundo no primeiro trimestre. As políticas industriais de Pequim e a proeza de fabricação da China significam que o país ainda está encontrando maneiras de ter sucesso em alguns dos principais setores.

“Ainda temos confiança na história de crescimento de longo prazo da China”, disse Phillip Wool, chefe de pesquisa da Rayliant Global Advisors, uma gestora de ativos com US$ 17 bilhões sob gestão. Wool disse que a transição do país para uma economia que depende mais do consumo interno do que das exportações ajudará a manter o crescimento no rumo certo.

Ainda assim, muitos economistas estão cada vez mais preocupados com o futuro da China.”

A grande esperança para este ano era de que os consumidores chineses aumentassem drasticamente os gastos, uma vez que os principais impulsionadores do crescimento anterior da China — investimentos e exportações — estavam enfraquecidos.

Porém, embora as pessoas estejam gastando um pouco mais após quase três anos de controles rígidos do covid-19, a China não está experimentando o tipo de aumento que outras economias tiveram quando saíram da pandemia.

Confiança do consumidor está baixa

O mais importante, segundo alguns economistas, é que Pequim não conseguiu mudar significativamente a propensão de longa data dos consumidores chineses de economizar ao invés de gastar — uma resposta a uma rede de segurança social frágil que significa que as famílias precisam economizar mais para contas médicas e outras emergências.
O consumo das famílias chinesas é responsável por cerca de 38% do Produto Interno Bruto (PIB) anual, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), em comparação com 68% nos EUA.

“O crescimento liderado pelo consumidor sempre foi uma meta ambiciosa” para a China, disse Louise Loo, economista-chefe para a China em Cingapura da Oxford Economics, uma empresa de consultoria. Agora, pode ser ainda mais difícil alcançá-la, disse Loo, dada a cautela com que os consumidores chineses estão saindo da pandemia.

Embora Pequim esteja tentando facilitar a obtenção de empréstimos neste ano, os dados de empréstimos indicam que as famílias preferem pagar as dívidas a contrair novos empréstimos.

Em março, Zi Lu mergulhou em seu dote e pagou os 1,2 milhão de yuans restantes, o equivalente a cerca de US$ 170 mil, da hipoteca de um apartamento que comprou em Xangai há dois anos. Trabalhando para um varejista de comércio eletrônico, disse que as vendas não foram muito boas neste ano, que está ansiosa e quer reduzir o peso de sua dívida.

“Tenho medo de ser demitida do nada”, disse Zi Lu.

Pilha de dívidas

A enorme pilha de dívidas também está pairando sobre a economia.

Entre 2012 e 2022, a dívida da China aumentou em US$ 37 trilhões, enquanto os EUA adicionaram quase US$ 25 trilhões. Em junho de 2022, a dívida da China atingiu cerca de US$ 52 trilhões, superando a dívida pendente em todos os outros mercados emergentes combinados, de acordo com os cálculos de Nicholas Borst, diretor de pesquisa da China na Seafarer Capital Partners.

Em setembro passado, a dívida total como parcela do PIB atingiu 295% na China, em comparação com 257% nos EUA, segundo dados do Bank for International Settlements.

Considerando o acúmulo de dívidas como uma ameaça à estabilidade financeira, Xi desalavancou uma peça central de sua política econômica desde 2016, pesando sobre o crescimento.

Para ajudar a esvaziar a bolha imobiliária do país, os órgãos reguladores impuseram limites rígidos de empréstimos para incorporadoras imobiliárias a partir do final de 2020. O investimento em desenvolvimento imobiliário caiu 5,8% no primeiro trimestre deste ano, apesar dos esforços políticos para conter o ritmo da queda.

Dois terços dos governos locais agora correm o risco de ultrapassar os limites não oficiais de endividamento estabelecidos por Pequim podendo indicar grave estresse financeiro, de acordo com cálculos da S&P Global. Cidades de todo o país, de Shenzhen a Zhengzhou, cortaram os benefícios dos funcionários públicos e atrasaram o pagamento dos salários dos professores em alguns casos.

Esses problemas estão se aprofundando em um momento em que o apelo da China como destino para empresas estrangeiras está diminuindo, segundo os dados, à medida que aumentam as tensões com o Ocidente liderado pelos EUA.

Investimento estrangeiro direto cai

O investimento estrangeiro direto (IED) na China caiu 48% em 2022, em comparação com o ano anterior, para US$ 180 bilhões, de acordo com dados oficiais chineses, enquanto o IED como parcela do PIB da China caiu para menos de 2%, em comparação com mais do que o dobro de uma década atrás.

A concorrência por investimentos com países como Índia e Vietnã está esquentando à medida que empresas buscam diversificar as cadeias de suprimentos, em parte em resposta ao risco de ruptura de um conflito entre os EUA e a China.

Jens Eskelund, presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China, disse que a incerteza sobre as perspectivas econômicas de longo prazo da China é outro fator de peso nas decisões de investimento das empresas.

“Naturalmente, isso diminui a disposição de sair e investir em capacidade adicional se você não estiver muito otimista sobre as perspectivas econômicas”, disse ele.

As reformas para promover uma atividade mais produtiva do setor privado foram paralisadas durante o governo de Xi, que está dando mais ênfase à segurança do que ao crescimento econômico. Pequim tornou mais rígida a regulamentação de setores como tecnologia, educação privada e imóveis, fazendo com que muitos empresários não estejam dispostos a investir mais.

Nos primeiros quatro meses deste ano, o investimento em ativos fixos feito por empresas privadas cresceu 0,4% em relação ao ano anterior, em comparação com o crescimento de 5,5% no mesmo período de 2019.

Discurso do governo chinês

Os líderes chineses aumentaram a retórica para tranquilizar empresários e investidores. Li Qiang, a segunda autoridade e novo premiê da China, comentou em março que a China se abrirá ainda mais para os participantes estrangeiros e disse às autoridades do Partido Comunista para tratar os empreendedores privados como “nosso próprio povo”.

Os economistas estão divididos quanto à possibilidade de os formuladores de políticas, que não lançaram estímulos em larga escala como fizeram em 2008 e 2015, recorrerem a estímulos mais agressivos agora. Alguns, inclusive economistas do Citigroup, esperam que o Banco Central da China corte as taxas de juros nos próximos meses para elevar o sentimento.

Outros dizem que a contenção de Pequim decorre do medo de agravar os níveis de endividamento já elevados e que, de qualquer forma, um estímulo maior pode fazer pouco para incentivar a demanda por crédito.

Jeff Bowman, CEO da Cocona, que fabrica materiais reguladores de temperatura usados em vestuário e roupas de cama, disse que ainda está otimista em relação à China. Bowman disse que, durante uma recente viagem de negócios de duas semanas a Taiwan e à China, os clientes que estavam focados no mercado interno chinês estavam muito mais otimistas do que seus colegas que exportavam para os EUA ou para a Europa, que, segundo ele, “com certeza estão sofrendo”.

Bowman disse que a Cocona, com sede em Boulder, Colorado, planeja estabelecer uma subsidiária na China para expandir seus negócios no país. Mas muitos analistas ainda se perguntam de onde virá o crescimento.

“A grande questão é: será que chegamos ao ponto em que a consciência da desaceleração estrutural está se tornando um problema de curto prazo para a confiança? Nesse caso, é um pouco como um ciclo vicioso”, disse Michael Hirson, chefe de pesquisa sobre a China da 22V Research, uma empresa de consultoria com sede em Nova York.

Com informações da agência Dow Jones.