Campos Neto: Interrupção do ciclo de corte da Selic também foi motivada por ‘ruídos’

Presidente do Banco Central disse que há uma grande desconexão entre os dados correntes de fiscal e inflação e as expectativas

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a recente decisão de interromper o ciclo de queda da Selic está relacionada não só aos dados de inflação, mas também com ruídos recentes. Campos Neto falou em painel no “ECB Forum on central banking”, promovido pelo Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, Portugal.

Campos Neto afirmou que houve um “sell-off” (venda generalizada de ativos) em alguns países emergentes, como o Brasil, mas que isso tem a ver com mais ruídos que foram criados do que com fundamentos.

O presidente do BC pontuou que os ruídos estão relacionados aos canais de expectativas do caminho da política fiscal e da política monetária. Segundo Campos Neto, criou-se uma incerteza suficiente para que fosse necessário interromper o ciclo de queda de juros e ver como arrumar o canal e como comunicar melhor para eliminar os ruídos.

Ele citou que há uma grande desconexão entre os dados correntes de fiscal e inflação e as expectativas. Segundo ele, as expectativas começaram a desancorar mesmo com os dados correntes vindo como esperado.

Previsão para inflação

O relatório Focus, do Banco Central, mostra contínua trajetória de alta nas expectativas de inflação. Para 2024, a mediana das projeções chegou a 4% depois de oito semanas seguidas de elevação. Já para 2025, a mediana atingiu 3,87% em nove semanas consecutivas.

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) aponta que o colegiado vai perseguir a reancoragem das expectativas “independentemente de quais sejam as fontes por trás da desancoragem ora observada”.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo –15 (IPCA-15) subiu 0,39% em junho, após alta de 0,44% em maio. Em 12 meses, o IPCA-15 ficou em 4,06% em junho. A meta é de 3% com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Com informações do Valor Econômico

Leia a seguir

Leia a seguir