Bolsas da Europa ensaiam recuperação, após PMIs de serviços e com relativo alívio nos juros

Investidores na Europa seguem atentos ao comportamento dos rendimentos dos Treasuries, que nos últimos dias renovaram máximas em 16 anos com a visão de que os juros dos EUA terão de continuar em níveis elevados por mais tempo

As bolsas europeias ensaiam recuperação na manhã desta quarta-feira (4) depois de uma abertura negativa, enquanto investidores avaliam dados de atividade (PMIs) de serviços melhores do que o esperado da região e monitoram um relativo alívio no avanço dos rendimentos dos Treasuries.

Por volta das 6h50 (de Brasília), o índice pan-europeu Stoxx 600 avançava 0,32%, a 442,10 pontos.

Nas últimas horas, a S&P Global divulgou PMIs finais de serviços europeus que superaram as estimativas iniciais. O da zona do euro avançou a 48,7 em setembro, enquanto o da Alemanha subiu para 50,3, ultrapassando a marca de 50 que indica retomada de expansão, e o do Reino Unido caiu a 49,3, mas também veio bem acima do previsto. O PMI é um indicador econômico utilizado para medir o desempenho e a atividade do setor de indústria ou serviços.

Entre outros indicadores da zona do euro, as vendas no varejo sofreram queda mensal de 1,2% em agosto, maior do que analistas esperavam, enquanto o índice de preços ao produtor (PPI) caiu 11,5% na comparação anual do mesmo mês.

Efeito juros dos EUA

Investidores na Europa seguem atentos ao comportamento dos rendimentos dos Treasuries, que nos últimos dias renovaram máximas em 16 anos com a visão de que os juros dos EUA terão de continuar em níveis elevados por mais tempo, diante de sinais de solidez da economia americana. Mais cedo, o retorno da T-note de 10 anos subia a 4,808%, mas se mantinha bem distante da máxima intradiária de 4,885%.

Ao longo da manhã, a atenção vai se voltar para dados econômicos dos EUA, incluindo o relatório da ADP sobre empregos criados pelo setor privado e duas leituras de PMIs de serviços. Ontem, dados positivos do mercado de trabalho americano, apontados pelo relatório Jolts, reforçaram a perspectiva de juros altos, impulsionaram os rendimentos dos Treasuries e derrubaram as bolsas de Nova York.

Às 7h04 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,24%, a de Paris avançava 0,45% e a de Frankfurt se valorizava 0,19%. Já as de Milão, Madri e Lisboa tinham ganhos de 0,06%, 0,09% e 0,76%, respectivamente.

Com informações do Estadão Conteúdo