BCE: Manter nível atual dos juros é coerente com meta de inflação em 2%

Dirigente do banco destaca fatores "difíceis de antecipar" entre os motivos para o prolongamento do aperto monetário

Dirigente do Banco Central Europeu (BCE), Pablo Hernández de Cos afirmou que ainda há incerteza “elevada” sobre a economia e a inflação, em quadro ainda muito condicionado a fatores “difíceis de antecipar”, como a guerra na Ucrânia.

Em texto no blog do BC da Espanha, que ele preside, a autoridade apontou que o nível atual dos juros do Banco Central Europeu (BCE) “caso se mantenha por um período suficientemente longo, seria coerente com alcançar nossa meta de inflação de 2%”.

Hernández de Cos disse que esta também é a visão majoritária atual de analistas e dos mercados financeiros.

Ele comentou que a política monetária está sendo transmitida, mas acrescentou que parte “significativa” da transmissão dela ainda será realizada. E também mencionou a estagnação na economia da zona do euro no primeiro semestre, com uma debilidade que se estende pelo terceiro trimestre a todos os setores da economia, embora o emprego tenha se mantido em nível vigoroso.

O dirigente recorda que a equipe do BCE reviu em baixa suas projeções para o crescimento na região da moeda comum, e acrescenta que elas ainda possuem risco de cair mais.

Na inflação, ele destaca que o núcleo do índice de preços ao consumidor perde fôlego nos últimos meses, em linha com as projeções do BCE, enquanto as expectativas de inflação seguem ancoradas em cerca de 2%.

Com informações do Estadão Conteúdo