Banco Central erra no cálculo e fluxo cambial de 2022 registra saída líquida de US$ 3,233 bi

Erro de cálculo em importações levou BC a desconsiderar US$ 1 bilhão em importações por mês em 2022

O chefe do departamento de estatísticas do Banco Central (BC), Fernando Rocha, afirmou na manhã desta quinta-feira (26) que os dados do fluxo cambial passaram por revisão extraordinária neste mês.

Um erro de cálculo gerado pela criação de novos de códigos de operações cambiais com a nova legislação levou a um reajuste bilionário no fluxo de câmbio que entra e sai do Brasil. Corrigindo o montante, foi de uma entrada líquida de US$ 9,574 bilhões para a saída de US$ 3,233 bilhões.

Executivo do BC justifica erro de cálculo bilionário

“Tivemos que fazer uma revisão extraordinária do mercado de câmbio contratado de outubro de 2021 a dezembro de 2022 porque cometemos um erro na compilação desses dados e pedimos desculpas. Houve uma falha na nossa rotina de compilação das estatísticas e alguns códigos do mercado de câmbio foram criados por uma resolução do BC e entraram em vigor em outubro de 2021. Mas por uma falha de compilação, desses novos códigos, um deles não foi incluído”, justificou Rocha.

Segundo o técnico do BC, o problema foi corrigido e os dados foram levantados novamente. “Para 2021 esse impacto é menor, atinge apenas os três últimos meses do ano”, ressaltou. No período, a revisão foi concentrada em importações, que passaram de US$ 215,4 bilhões para 217,2 bilhões, alta de US$ 1,7 bilhão.

Em 2022, as importações passaram de US$ 238,1 bilhões para US$ 250,9 bilhões, diferença de US$ 12,8 bilhões, o equivalente a pouco mais de US$ 1 bilhão por mês.

“Com isso, o valor líquido do mercado de câmbio se reduziu e fechou com ligeiro déficit de R$ 3,2 bilhões, esse é o dado corrigido”, destacou Rocha.