Alemanha deixa de ser invejada e vira o país desenvolvido com pior desempenho econômico

Tanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) como a União Europeia (UE) esperam que Alemanha encolha este ano. Percepção ocorre após a invasão da Ucrânia pela Rússia e a perda do gás natural barato de Moscou

Durante a maior parte deste século, a Alemanha acumulou um sucesso econômico após o outro, dominando os mercados globais de produtos de primeira linha, como automóveis de luxo e maquinários industriais vendendo muito para o resto do mundo que metade da economia dependia de suas exportações.

Não mais. Agora, a Alemanha é a economia desenvolvida com pior desempenho do mundo, e tanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) como a União Europeia (UE) esperam que ela encolha este ano. A percepção ocorre após a invasão da Ucrânia pela Rússia e a perda do gás natural barato de Moscou – um choque sem precedentes para as indústrias de uso intensivo de energia da Alemanha, que há muito tempo era a potência industrial da Europa.

Risco de desindustrialização

A Alemanha corre o risco de “desindustrialização”, uma vez que os elevados custos da energia e a falta de ação do governo relativamente a outros problemas crônicos ameaçam que novas fábricas e empregos bem remunerados sejam transferidos para outros lugares, disse Christian Kullmann, CEO da grande empresa química alemã Evonik Industries AG.

A perda do gás natural barato russo necessário para abastecer as fábricas “prejudicou dolorosamente o modelo de negócios da economia alemã”, disse Kullmann à Associated Press. “Estamos numa situação em que fomos fortemente afetados – prejudicados – por fatores externos.”

Depois de a Rússia ter cortado a maior parte do seu gás para a União Europeia, provocando uma crise energética no bloco de 27 países que fornecia 40% do combustível a Moscou, o governo alemão pediu à Evonik que mantivesse funcionando a sua central elétrica mantida a carvão dos anos 60 a um ritmo acelerado mais alguns meses.

A empresa está mudando de usina – cuja chaminé de 40 andares alimenta a produção de plásticos e outros bens – para dois geradores movidos a gás que, posteriormente, poderão funcionar com hidrogênio em meio a planos para se tornar neutra em carbono até 2030.

Limite máximo

Uma solução muito debatida é a imposição de um limite máximo financiado pelo governo para os preços da eletricidade industrial, para fazer a economia passar pela transição para as energias renováveis.

A proposta do vice-chanceler Robert Habeck, do Partido Verde, enfrentou resistência do chanceler Olaf Scholz, um social-democrata, e dos Democratas Livres, um partido amigável ao setor corporativo. Os ambientalistas dizem que isso apenas prolongaria a dependência dos combustíveis fósseis.

O preço do gás é quase o dobro do que era em 2021, prejudicando as empresas que precisam dele para manter o vidro ou o metal em brasa e derretido 24 horas por dia para fazer vidro, papel e revestimentos metálicos usados em edifícios e carros.

Segundo golpe

Um segundo golpe ocorreu num momento em que o principal parceiro comercial, a China, registra uma desaceleração após várias décadas de forte crescimento econômico. Estes choques externos expuseram fissuras nos pilares da Alemanha que foram ignoradas durante os anos de sucesso, incluindo o atraso na utilização da tecnologia digital no governo e nas empresas e um processo moroso para obter a aprovação de projetos de energias renováveis extremamente necessários.

Atrasos no investimento em estradas, na rede ferroviária e na Internet

Outro fato evidente: o dinheiro que o governo tinha prontamente disponível veio em parte devido a atrasos no investimento em estradas, na rede ferroviária e na Internet de alta velocidade nas zonas rurais.

A decisão de 2011 de encerrar as centrais nucleares remanescentes foi questionada em meio a preocupações com os preços e a escassez da eletricidade. As empresas enfrentam uma grave escassez de mão de obra qualificada, com as vagas de emprego atingindo um nível recorde de apenas 2 milhões. E foi tardiamente reconhecido pelo governo como tendo sido um erro confiar na Rússia para fornecer gás de forma viável através dos gasodutos Nord Stream sob o Mar Báltico – construídos sob o governo da ex-chanceler Angela Merkel e desde então encerrados e danificados durante a guerra.

Agora, os projetos de energia limpa são retardados por uma extensa burocracia e resistência. Os limites de distanciamento de residências mantêm a construção anual de turbinas eólicas em um ritmo de um dígito na região sul da Baviera. Uma linha elétrica de 10 bilhões de euros (US$ 10,68 bilhões) que transporta energia eólica do norte para a indústria no sul enfrentou atrasos dispendiosos, desde a resistência política até em relação às feias torres acima do solo.

Enterrar a linha significou que a conclusão do projeto ocorrerá em 2028, em vez de 2022. Os enormes subsídios à energia limpa que a administração Biden está oferecendo às empresas que investem nos EUA evocaram inveja e alarme de que a Alemanha está a ser deixada para trás. “Estamos assistindo a uma competição mundial por parte dos governos nacionais pelas tecnologias futuras mais atrativas – atrativas, significando as mais lucrativas, aquelas que fortalecem o crescimento”, disse Kullmann.

Com informações do Estadão Conteúdo