Mercado hoje: Ibovespa e dólar fecham em alta com Focus e dados de emprego dos EUA em foco

Relatórios geram sentimentos antagônicos no mercado, que busca sinais de que a inflação está controlada

A volta do feriado de Páscoa trouxe consigo um certo alívio no mercado financeiro. Os investidores olharam hoje para a expectativa de inflação no Brasil em 2023 ao mesmo tempo em que repercutiram os dados do mercado de trabalho nos Estados Unidos.

O Ibovespa aproveitou o momento positivo e fechou em alta de 1,00% (pós ajuste), aos 101.832 pontos, tendo ultrapassando os 102 mil pontos por diversos momentos ao longo do pregão. O dólar não seguiu o movimento e fechou em alta de 0,17% ante o real, negociado a R$ 5,0660.

Focus

O boletim Focus divulgado na manhã desta segunda-feira atrai atenção do mercado ao mostrar que a mediana das projeções dos economistas do mercado para a inflação oficial brasileira de 2023 voltou a subir, agora de 5,96% para 5,98%.

O dado aumenta o nervosismo e faz com que agentes tenham dificuldade em estimar quando a Selic começa a cair.

Payroll

O mercado ainda repercute o relatório de empregos dos Estados Unidos em março, que foi divulgado na sexta-feira, enquanto as bolsas estavam fechadas por conta da Páscoa.

O documento mostrou que os EUA criaram 236 mil empregos no mês passado, uma desaceleração em relação aos 326 mil de fevereiro e ligeiramente abaixo das expectativas dos economistas.

Commodities

Os ganhos dos papéis de commodities metálicas davam força ao índice: Vale (VALE3) subia 1,60%; CSN (CSNA3) avançava 3,91%; Usiminas (USIM5) ganhava 3,14%; e Gerdau (GGBR4) operava em alta de 4,18%. As ações iam na contramão do minério de ferro, que caiu na bolsa de Dalian.

O petróleo Brent – referência para a Petrobras – fechou em queda de 1,10% na ICE, de Londres, negociando a US$ 84,18 o barril com entrega para junho.

Petrobras e bancos ajudam o Ibovespa a subir.

As ações preferencias da petroleira (PETR4) tinham alta de 1,6%, apesar da fraqueza do Brent no exterior. Itaú (ITUB4) subia 0,6%, enquanto Bradesco (BBDC4) avançava 1,3% e Banco do Brasil (BBAS3) tinha valorização de 0,77%.

Leia a seguir

Leia a seguir