Tragédia no Chile: consumidor pode cancelar ou remarcar viagem, diz Procon-SP

Motivo é estado de emergência no país motivado pelos incêndios florestais que já mataram 64 pessoas; consumidor deve fazer tudo por escrito

O consumidor que tem viagem marcada para o Chile pode cancelar ou remarcar a viagem, informa o Procon-SP. O motivo são os incêndios florestais que já mataram 64 pessoas e destruíram mais de 3.000 casas. É a maior tragédia do país desde o terremoto de 2010. A área mais afetada é Valparaíso, região do país que recebe muitos turistas. Em nota, o Procon-SP informou que: “é direito do consumidor, se for de seu interesse, cancelar ou remarcar as passagens aéreas e pacotes de viagens com destino a um país, sem multa ou qualquer ônus”.

O que fazer?

O Procon recomenda que o passageiro verifique junto à empresa aérea qual o status do seu voo. Caso opte por cancelar ou remarcar a viagem, deve fazer contato por escrito.

Isso porque, se houver necessidade de fazer algum tipo de reclamação, o consumidor terá documentos para comprovar a tentativa de compor um acordo.

“Neste caso específico, a decretação de estado de emergência é um fator que reforça o direito de pedir cancelamento ou remarcação da viagem”, informa a nota.

Catástrofe no país

Neste domingo (4), o presidente chileno Gabriel Boric anunciou luto oficial de dois dias por causa da tragédia.

De acordo com o presidente, o número de mortos pode piorar. Isso porque quatro grandes incêndios avançam na região turística e extremamente povoada, onde os bombeiros têm lutado para chegar aos bairros mais ameaçados.

O governo também decretou toque de recolher a partir das 18h do domingo (4) até as 10h da segunda-feira (5), para que se possa continuar o combate aos incêndios florestais.