Lucro líquido da Ambev (ABEV3) aumenta 8,4% no 1º trimestre, para R$ 3,7 bilhões

O lucro antes de juros impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado ficou em R$ 6,444 bilhões no período

A Ambev (ABEV3) teve lucro líquido de R$ 3,699 bilhões no primeiro trimestre de 2023, aumento de 8,4% sobre o ganho líquido de R$ 3,528 bilhões em igual período de 2022, segundo demonstrações financeiras enviadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta quinta-feira. Os valores referem-se aos atribuídos aos acionistas controladores.

A receita líquida somou R$ 20,531 bilhões no período de janeiro a março deste ano, aumento de 11,3% sobre a receita de R$ 18,439 bilhões em igual período de 2022. O volume total diminuiu 0,4% na comparação anual, para 44,921 milhões de hectolitros.

O lucro antes de juros impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado ficou em R$ 6,444 bilhões no primeiro trimestre deste ano, alta de 8,3% ante o Ebitda ajustado de R$ 5,522 bilhões no mesmo período de 2022.

A margem Ebitda ajustada subiu de 30% para 31,4% entre os dois períodos.

Citi aprova resultados

Os resultados da Ambev no primeiro trimestre superaram expectativas, sustentados por ganhos de margem em meio a disciplina de custos e reajustes de preços nas operações da América do Sul, diz o Citi.

Os analistas liderados por Sérgio Matsumoto escrevem que o Ebitda da companhia subiu 16,7%, a R$ 6,4 bilhões, com margens subindo 1,4 ponto percentual no ano, 10% acima das estimativas.

No Brasil, as margens de cerveja aumentaram pela primeira vez em sete trimestres, destaca o banco, reagindo a iniciativas de gerenciamento de despesas que podem não ser sustentáveis por conta de investimentos em marketing.

Eles destacam também o desempenho na América do Sul, em especial na Argentina, com marcas como Corona, Andes Origen e Stella Artois, seguindo a mesma performance de pares.

O Citi tem recomendação de compra para Ambev, com preço-alvo em R$ 17, potencial de alta de 16,5% sobre o fechamento de ontem.