WEG (WEGE3) vai investir R$ 100 milhões para atender aumento de demanda por veículos elétricos

Aporte visa atender principalmente o segmento de ônibus e caminhões

De olho no potencial mercado de mobilidade elétrica e sistemas de armazenamento de energia que o Brasil tem, a fabricante de equipamentos Weg (WEGE3) vai investir R$ 100 milhões de capital próprio para construir um novo complexo fabril para atender a demanda crescente do mercado, além de aumentar as dimensões do prédio atual de fabricação da solução.

Hoje a empresa catarinense tem uma capacidade de produção de 100 megawatt-hora (MWh) por ano, mas espera oferecer mais de 1 gigawatt-hora (GWh) de packs de baterias anualmente, envolvendo vários módulos, células de íons de lítio e sistemas de gerenciamento eletrônico, refrigeração e de segurança, entre outros itens, ou seja, a meta é elevar a capacidade de produção em dez vezes nos próximos dois anos com a construção do novo complexo industrial da companhia em Jaraguá do Sul (SC). Importante destacar que as células que compõem o sistema continuarão sendo importadas.

Ao Valor, o diretor superintendente Weg digital e sistemas, Carlos José Bastos Grillo, explica que os investimentos servirão para fazer frente à crescente demanda do mercado de mobilidade elétrica no país, principalmente para o segmento de ônibus e caminhões.

“Pelas oportunidades que têm surgido em veículos pesados, de caminhões, mas principalmente ônibus, estamos investindo de forma muito mais intensiva numa planta para a fabricação do que a gente chama de packs de bateria, que é um conjunto onde estão as células de bateria e mais toda uma série de aparatos que dão a integração desse sistema com o veículo”, afirma o executivo.

Contratos fechados

A Weg já tem importantes contratos no setor. É fornecedora de powertrain (componentes que fornecem energia mecânica veículo) e baterias para empresas que atuam com frota de ônibus elétricos, como a Transcol, e a primeira linha de montagem de veículos utilitários 100% elétricos do Brasil da Hitech Electric, em Campo Largo (PR), conta com tecnologia Weg. Entretanto, a demanda por estes equipamentos, segundo Grillo, têm acelerado, o que faz com que a empresa tente se antecipar à futura demanda.

Além dos pesados, ele destaca que a estrutura atenderá também um mercado em que a Weg já é líder, o de eletrificação naval, em que a empresa detém cerca de 25% de mercado.

Armazenamento de energia

Outro segmento que a empresa vai atacar é o de armazenamento de energia (Battery energy storage system – Bess, na sigla em inglês). Esta modalidade é bastante disseminada nos EUA, mas ainda está em processo elementar no Brasil e deve ser usada de modo associado com energias renováveis, como solar e eólicas, por exemplo, em que a geração pode ser armazenada para consumo em outros momentos. A empresa, inclusive, já forneceu os sistemas de armazenamento para o Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão.

“É um mercado muito pequeno ainda, que está quase começando do zero do zero, então é mesmo que ele dobre ainda é um mercado pequeno, mas o que estamos percebendo é que todos os nossos clientes estão com interesse muito grande sobre o assunto. Nossa ideia é estar preparado para isso”.

Cronograma de investimentos

O cronograma de investimentos e expansão da Weg será faseado em duas etapas: a primeira, que envolve a ampliação imediata do prédio de fabricação atual. A segunda prevê a conclusão da nova fábrica de packs de baterias para o 1º semestre de 2024. A área construída disponível para a fabricação será de aproximadamente 6.000 m², seguindo o modelo de construção modular, que permite o aumento gradual e contínuo da capacidade de produção para atender às necessidades de expansão. O projeto deverá gerar aproximadamente 140 novos empregos.