Bolsas dos EUA fecham em leve alta na volta do feriado após o payroll

Ainda que o payroll tenha mostrado um mercado de trabalho forte, as contratações seguiram em desaceleração, assim como o aumento salarial

A maioria dos principais índices acionários das bolsas de Nova York fecharam em alta nesta segunda-feira, no primeiro pregão após a volta do feriado de Páscoa que deixou os mercados americanos fechados na última sexta-feira.

Com o relatório de empregos (payroll) de março ainda no retrovisor, investidores se preparam para a divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA enquanto aumentam as apostas para uma nova alta de juros do Federal Reserve (Fed) no mês que vem.

Índices das bolsas de Nova York

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,30%, a 33.586,520 pontos.

O S&P 500 subiu 0,10%, após inverter sinal com um ganho repentino de força no fim do pregão.

Na contramão, o Nasdaq teve queda marginal de 0,03%, a 12.084,36 pontos.

Payroll

A sessão de hoje começou negativa após o payroll de março mostrar criação de 236 mil empregos nos EUA e queda da taxa de desemprego a 3,5%. Ambos os números reforçaram a sensação de que o mercado de trabalho americano segue robusto e o Fed, em resposta, não deve parar de subir os juros tão cedo.

Hoje, o CME Group chegou a calcular até 80% de chance de que o BC americano suba a sua taxa básica em 0,25 ponto percentual no próximo dia 3, à faixa de 5% a 5,25%. Após o fechamento das bolsas, a ferramenta mostrava 71,7% de probabilidade para a elevação.

Contratações desaceleram

Ainda que o payroll tenha mostrado um mercado de trabalho forte, as contratações seguiram em desaceleração, assim como o aumento salarial, que foi de 0,3% em relação a fevereiro e de 4,2% na comparação anual de março.

“O relatório de empregos de março sugere que o mercado de trabalho dos EUA está se movendo para um equilíbrio mais saudável, já que o crescimento mais suave do emprego e a inflação salarial mais baixa sugerem que estamos chegando ao fim do ciclo de aumento de juros do Fed”, ponderam os economistas Ryan Sweet e Oren Klachkin, da Oxford Economics.

Com o payroll para trás, o foco dos investidores se volta para o CPI de março, que sai às 09h30 da próxima quarta-feira (12). O consenso de analistas consultados pelo “The Wall Street Journal” sugere forte desaceleração na taxa anual de inflação dos EUA, de 6% em fevereiro a 5,1% em março.

Leia a seguir

Leia a seguir