Bolsas da Europa fecham sem direção única com cautela por teto da dívida americana

Investidores também ficaram atentos a comentários de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE)

As bolsas europeias encerraram a sessão de hoje sem firmar direção única. Investidores seguem cautelosos diante das incertezas em meio às negociações para elevar o teto da dívida dos EUA e evitar um default inédito do país.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta marginal de 0,01%, a 468,91 pontos.

Em Frankfurt, o índice DAX teve queda de 0,32%, a 16.223,99 pontos, e o parisiense CAC 40 cedeu 0,18%, a 7.478,16 pontos. Em ambos os casos, ações de bancos contrariam o movimento geral e deram algum fôlego aos índices. Entre os destaques, Commerzbank subiu 2,37% e BNP Paribas teve alta de 2,43%. Ao contrário das bolsas de Frankfurt e Paris, o índice FTSE 100 de Londres fechou com ganho de 0,18%, a 7.770,99 pontos.

Expectativa sobre teto da dívida

Segundo o analista Michael Hewson, da CMC Markets, o pregão europeu de hoje foi “bastante tranquilo, embora um pouco negativo, enquanto os mercados andam de lado antes da retomada das negociações do teto da dívida no final desta noite”.

Após viagem ao Japão para reunião com líderes do G7, o presidente dos EUA, Joe Biden, voltará a se reunir hoje com o presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Kevin McCarthy.

Discursos sobre política monetária

Investidores também ficaram atentos a comentários de dirigentes do Banco Central Europeu (BCE). Membro da entidade e presidente do Banco da França, François Villeroy de Galhau afirmou que o BCE deve atingir a sua taxa de juros terminal durante o verão europeu, período que compreende as três próximas reuniões monetárias.

Indicadores econômicos

Entre indicadores, a Comissão Europeia informou que a confiança do consumidor da zona do euro subiu levemente de -17,5 a -17,4 entre abril e maio, segundo leitura preliminar. O resultado, contudo, veio pior que a alta a -17,0 prevista pelo mercado.