Bolsas da Ásia fecham mistas em meio a preocupações com setor bancário e recuperação chinesa

Perspectivas de recuperação desigual da China continuam no radar. No Japão e na Coreia do Sul, um feriado deixou ambos os mercados fechados

As bolsas asiáticas fecharam sem sinal único, nesta sexta-feira, após mais um tombo em Wall Street à medida que os temores com a saúde de bancos regionais americanos se espalham e preocupam investidores ao redor do globo. Além disso, as perspectivas de recuperação desigual da China continuam no radar. No Japão e na Coreia do Sul, um feriado deixou ambos os mercados fechados.

Assim, o Hang Seng, de Hong Kong, subiu 0,5%, a 20.049,31 pontos, enquanto o Xangai composto perdeu 0,5%, a 3.334,50 pontos.

Para a Oanda, as preocupações com a estabilidade financeira não vão desaparecer tão cedo, e isso continuará a alimentar a perspectiva de que uma recessão chegará em breve. O ING também comenta que o foco contínuo na saúde dos bancos regionais dos EUA fez com que os níveis de estresse do mercado aumentassem. “Os formuladores de políticas dos EUA estão procurando maneiras de consertar as coisas, mas há clara tendência geral de condições de crédito mais apertadas e crescimento mais fraco dos EUA”, destaca.

Na China, o índice de gerentes de compras (PMI) de serviços Caixin caiu para 56,4 em abril, de 57,8 em março – o que marca o quarto mês consecutivo em que o PMI de serviços ficou acima da marca de 50, que separa expansão de contração.

“O forte índice Caixin de hoje confirma a visão de que o setor de serviços está liderando o renascimento da reabertura da China, enquanto a recuperação da manufatura está começando a perder força”, analisa a Pantheon. Já economistas do Macquarie analisam, em nota acessada pelo The Wall Street Journal, que a recuperação chinesa continua altamente desigual e o exemplo mais recente é o boom do feriado do Dia do Trabalho versus a queda no PMI industrial de abril.