Bolsas da Ásia fecham em alta antes de BoJ e apesar de temor bancário

Preocupações com uma nova turbulência no setor bancário após o balanço do First Republic Bank (FRB) ainda freia os ganhos

As bolsas asiáticas fecharam em alta, enquanto o mercado ajusta expectativas diante do início da reunião de política monetária do Banco do Japão (BoJ), que deve decidir manter a postura ultra-acomodatícia, segundo a maioria dos analistas. No pano de fundo, preocupações com uma nova turbulência no setor bancário após o balanço do First Republic Bank (FRB) ainda freia os ganhos.

A ANZ Research comenta que o governador Kazuo Ueda preside sua primeira reunião do BoJ entre hoje e amanhã, após 10 anos de flexibilização monetária sem precedentes de Haruhiko Kuroda.

“Comentários recentes de Ueda sugerem que há pouco apetite para mudar as configurações de políticas no curto prazo. Como os membros do BoJ sentem que ainda estão bem abaixo da meta de inflação de 2%, é mais provável que um gatilho para uma mudança de política seja impulsionado por uma falta de confiança na eficácia da atual estrutura monetária”, analisa a ANZ, que ainda diz esperar que, em breve, ocorra uma revisão completa da estrutura, o que provavelmente mapeará um curso que acabará com o controle da curva de rendimento.

Assim, o índice Nikkei, referência da bolsa de Tóquio, fechou com alta de 0,15%, a 28.457,68 pontos e reverteu as perdas da manhã.

Na China, o declínio dos lucros industriais diminuiu em março, em meio à recuperação econômica de Pequim: o lucro industrial caiu 21,4% no período de janeiro a março em relação ao ano anterior, diminuindo em relação ao declínio de 22,9% registrado nos primeiros dois meses do ano, informou o Departamento Nacional de Estatísticas nesta quinta-feira.

Na China continental, o Xangai composto terminou o pregão em alta de 0,7%, a 3.285,88 pontos, à medida que a tensão geopolítica diminuiu depois que o líder chinês Xi Jinping fez seu primeiro telefonema para o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na noite de quarta-feira, desde a invasão russa. Enquanto isso, o Hang Seng, de Hong Kong, subiu 0,4%, a 19.840,28 pontos. Por fim, o índice sul-coreano Kospi, da bolsa de Seul, fechou em alta de 0,40%, a 2.495.81 pontos.

Apesar dos ganhos dessa sessão, Yeap Jun Rong, analista de mercado da IG, destaca que

preocupações pesando sobre o setor bancário, bem como temores de recessão, significam que o sentimento de risco pode permanecer cauteloso no curto prazo.

Leia a seguir

Leia a seguir