Bolsas da Ásia caem com inflação da China em foco

Preocupações com a força da economia chinesa, assim como a temporada de balanços no Japão, continuam no radar

As bolsas asiáticas fecharam em queda nesta quinta-feira, em uma sessão marcada pela divulgação dos dados da inflação ao consumidor (CPI) da China. Além disso, preocupações com a força da economia chinesa, assim como a temporada de balanços no Japão, continuam no radar.

O índice Nikkei, da bolsa de Tóquio, fechou estável, a 29.126,72 pontos, com Panasonic (+5,98%) e Fujifilm (+5,88%) liderando os ganhos, após divulgação de balanços.

Já o índice Kospi, da bolsa de Seul, terminou a sessão com perda de 0,20%, a 2.491,00 pontos, sendo que os fracos ganhos trimestrais das ações de consumo lideraram o recuo nas horas finais do pregão.

Inflação na China

A inflação ao consumidor da China caiu para seu nível mais baixo em mais de dois anos: o (CPI) subiu 0,1% em abril em relação ao mesmo mês do ano anterior, desacelerando de um aumento de 0,7% em março.

O resultado ficou abaixo do aumento de 0,4% previsto por economistas consultados pelo “The Wall Street Journal”.

A Pantheon destaca que a inflação chinesa está fraca com a reabertura do país, “graças a uma recuperação doméstica desigual, demanda global fraca e aumento da produção”.

Taxa de juros

Já a Capital Economics comenta que a taxa básica permanecerá bem abaixo do teto do governo de cerca de 3,0%.

“Isso dá espaço para as autoridades do banco central chinês, preocupadas com a durabilidade da recuperação econômica, manter as taxas de juros inalteradas”, diz a consultoria.

Xangai e Hong Kong

Neste cenário, o índice Xangai Composto fechou em queda de 0,30%, a 3.309,55 pontos, enquanto o Hang Seng, da bolsa de Hong Kong, recuou 0,10%, a 19.743,9 pontos, à medida que as perdas entre setores se arrastaram.