Amazon (AMZN; AMZO34) e Microsoft (MSFT; MSFT34) viram alvos de investigação no Reino Unido

Caso envolve concorrência no mercado de computação em nuvem

O Reino Unido abriu uma investigação sobre o mercado de computação em nuvem, colocando na mira as atividades da Microsoft (MSFT; MSFT34) e da Amazon (AMZN; AMZO34), que juntas detinham uma fatia de 70% a 80% desse segmento que movimentou até 7,5 bilhões de libras esterlinas em 2022 no país.

A Autoridade de Competição e Mercados (CMA, na sigla em inglês) no Reino Unido informou que um grupo independente realizará agora uma investigação para determinar se a concorrência neste mercado está funcionando de maneira adequada.

Caso contrário, medidas devem ser tomadas para resolver quaisquer problemas.

A CMA nomeou membros independentes para o grupo que atuarão como tomadores de decisão nesta investigação. O grupo publicará em breve uma declaração sobre questões estabelecendo o foco proposto da investigação para consulta.

A abertura da investigação ocorre após pedido do Ofcom, o órgão regulador do setor britânico de comunicações. A autoridade de competição britânica informou que pretende concluir sua investigação até abril de 2025.

Os serviços em nuvem permitem acesso remoto a recursos de computação sob demanda e através de uma rede. Os serviços têm sido rapidamente adotados por muitas empresas e tornaram-se uma parte essencial de muitos serviços digitais prestados aos consumidores.

No seu estudo de mercado, a Ofcom identificou uma série de características no fornecimento de serviços em nuvem que tornam mais difícil para os clientes mudarem e utilizarem vários fornecedores.

Entre eles, o regulador citou as taxas de saída cobradas dos clientes para moverem seus dados para fora da nuvem.

Além disso, as empresas usam descontos, o que pode incentivar os clientes a usar apenas um provedor de nuvem.

A Ofcom listou ainda a existência de barreiras técnicas à mudança que podem impedir os clientes de alternar entre diferentes nuvens ou usar mais de um provedor. O relatório do Ofcom também descreve preocupações que ouviu sobre as práticas de licenciamento de software de alguns provedores de nuvem, em particular a Microsoft.

Para a presidente da CMA, Sarah Cardell, muitas empresas agora dependem totalmente de serviços em nuvem, tornando essencial a concorrência efetiva neste mercado.

A forte concorrência garante condições equitativas para que o poder de mercado não acabe nas mãos de alguns intervenientes – libertando todo o potencial destes mercados digitais em rápida evolução para que as pessoas, as empresas e a economia do Reino Unido possam obter o máximo de benefícios, diz a CMA.

Com informações do Estadão Conteúdo