Sentimento de investidores com setor de commodities piorou com crise bancária, diz XP

O noticiário recente envolvendo o setor de petróleo, por exemplo, reduziu o entusiasmo dos investidores com as empresas menores

O cenário para investimentos em empresas que lidam com materiais básicos, como petróleo, minério de ferro e celulose, se deteriorou nas últimas semanas com a crise bancária que se alastra nos Estados Unidos e Europa, diz a XP.

Os analistas André Vidal, Guilherme Nippes e Helena Kelm escrevem que investidores consultados por eles se mostram mais reticentes em comprar ações relacionadas a commodities até que exista maior visibilidade sobre a crise bancária.

“Por outro lado, o cenário macro e político interno brasileiro se deteriorou ainda mais, e os produtores de commodities e sua exposição às receitas atreladas ao dólar fornecem uma proteção importante”, comenta a corretora.

Petróleo

O noticiário recente envolvendo o setor de petróleo reduziu o entusiasmo dos investidores com as empresas menores, como Prio (PRIO3), PetroReconcavo (RECV3) e 3R Petroleum (RRRP3), reduzindo suas exposições às empresas.

“Embora o fim do programa de desinvestimentos da Petrobras (PETR3; PETR4) possa acelerar o processo de consolidação, a falta de visibilidade sobre possíveis negócios e cronogramas torna os investidores menos propensos a negociar ações”, comentam.

Mineração e siderurgia

Em mineração e siderurgia, as discussões permanecem em torno da força da reabertura chinesa, a sustentabilidade dos preços dos produtos. Há pouca convicção no setor por conta da visibilidade baixa da recuperação da economia da China.

Já as ações de papel e celulose continuam subvalorizadas, na visão dos investidores consultados pela XP, mas a tendência de queda da commodity faz com que investidores esperem por um melhor ponto de entrada.

Leia a seguir

Leia a seguir