Ações da Santos Brasil (STBP3) lideram altas com perspectiva de reajuste de 60% nas tarifas

Santos Brasil deve aumentar tarifas em até 60% para apoiar metas do ano, diz BTG

A renovação de contrato com a Maersk que a Santos Brasil (STBP3) anunciou na última semana apoia um reajuste de até 60% nas tarifas, bem acima do esperado, e apoia as metas divulgadas de Ebitda entre R$ 1 bilhão e R$ 1,2 bilhão em 2023, diz o BTG Pactual.

Com isso, as ações da empresa registram forte alta na bolsa, com valorização de 7,88%, cotadas a R$ 8,76 por volta das 15h15 desta segunda (3). A alta é a maior da B3 entre empresas com volume na casa dos milhões ou acima disso.

Itaú BBA atualiza estimativas para STBP3

O novo acordo comercial assinado com a Maersk e as metas operacionais para 2023 implicam em um reajuste tarifário de 55%, contra expectativa do mercado em 30%, dizem os analistas do Itaú BBA Daniel Gasparete, Gabriel Rezende e Luiz Capistrano.

O banco atualizou estimativas para a companhia, incorporando as novas estimativas, além de projetar uma estabilidade nos volumes. Eles notam que há espaço para nova revisão para cima caso a empresa renegocie contratos com outros clientes.

“Lembramos que a Maersk representa entre 60% a 65% dos volumes totais movimentados pela Santos Brasil”, comentam. O banco diz que o novo acordo impulsiona também os resultados da companhia em 2024.

Recomendação e preço-alvo

O Itaú BBA elevou o preço-alvo de Santos Brasil de R$ 10 para R$ 11, potencial de alta de 35,4% sobre o fechamento da última sexta-feira, reiterando recomendação de compra.

O BTG Pactual tem recomendação de compra para Santos Brasil, com preço-alvo em R$ 13.

A XP tem recomendação de compra para Santos Brasil, com preço-alvo em R$ 11, potencial de alta de 35,7% sobre o fechamento de sexta.

O Santander tem recomendação de compra para Santos Brasil, com preço-alvo em R$ 11.

Aumento de tarifas

Os analistas Lucas Marquiori e Fernanda Recchia do BTG escrevem que a companhia não divulgou os termos do novo contrato com a Maersk, mas levando em conta as metas, a companhia precisaria de um aumento nas tarifas de pelo menos 45% para chegar ao ponto médio.

“Assumindo que os reajustes aconteçam em abril e que a Maersk representa entre 60% a 70% dos volumes da Tecon, calculamos reajuste de 60%, sem considerar aumentos nos volumes, o dobro da expectativa do mercado”, comentam.

O banco nota que o anúncio reduz os riscos em torno das ações, que estavam sendo pressionadas pela demanda em torno do acordo comercial com a Maersk, e confirma o bom momento operacional do Porto de Santos.

Leia a seguir

Leia a seguir

XP: SB apresenta dinâmica competitiva

A Santos Brasil divulgou boas notícias na última semana, uma renegociação bem sucedida com a Maersk e projeção de Ebitda entre R$ 1 bilhão e R$ 1,2 bilhão em 2023, o que deve impulsionar as ações da companhia, diz a XP.

Os analistas Pedro Bruno e Matheus Sant’anna escrevem que as projeções da companhia estão em linha com o ponto médio das suas próprias estimativas, apontando uma dinâmica competitiva e tarifária positiva.

Santander: perspectiva é de crescimento operacional

A Santos Brasil apresentou metas operacionais robustas para 2023, apoiadas na renovação de contrato com a Maersk, apontando um crescimento substancial nas tarifas, diz o Santander.

Os analistas Lucas Barbosa, Lucas Esteves e Gabriel Tinem escrevem que o novo contrato com a Maersk deve gerar um aumento entre 30% a 60% nas tarifas, levando em conta as estimativas sa companhia.

“É importante ressaltar que a companhia pode ter adotado premissas conservadoras em suas estimativas, o que pode gerar revisão para cima ao longo do ano”, comenta o banco.