Ações do Assaí (ASAI3) despencam após anúncio de possível venda de lojas e corte de investimentos

Assaí não passará por oferta primária de ações, disse também o presidente da empresa, Belmiro Gomes

As ações do Assaí (ASAI3) fecharam em queda de 5,25%, cotadas a R$ 13,90, na bolsa nesta quarta-feira (5) após o presidente da empresa anunciar, em teleconferência na terça-feira, que a empresa pode cortar investimentos e vender ativos, entre eles, lojas próprias.

Os papéis chegaram a bater R$ 17,64 no começo de março e enfrentam queda constante na bolsa desde então, com alguns ensaios de reação. Nos últimos 12 meses, a desvalorização acumulada é de quase 15%.

Custo do capital pode forçar vendas

O comando da rede de atacarejo Assaí disse, na terça, em teleconferência relativa a proposta da administração para 2023, que está revisando investimentos e pode reduzir montante ou vender ativos, como lojas próprias, por conta do aumento do custo do capital com a escalada dos juros básicos (Selic).

Gomes afirmou que há 22 obras de lojas em andamento neste momento, com conversões de unidades de Extra em Assaí, e isso está mantido “por enquanto”. “Se formos a uma Selic de 16%, 17% ao ano, aí a empresa vai cortar investimentos, mas hoje a questão ainda está em estudo e pode ter ou não mudanças nos planos de 2023 e 2024”, disse.

Presidente nega oferta primária de ações

Dias atrás, rumores surgiram no mercado a respeito da hipótese de a empresa fazer uma oferta primária de ações, e hoje, Belmiro Gomes, presidente da empresa, citou essa questão, negando a hipótese de uma oferta, e ressaltando que a companhia tem outros caminhos para obter recursos sem ir à mercado, e sem precisar se alavancar mais.

Possível oferta foi mal recebida pelo mercado

A ideia de uma oferta foi mal recebida pelo mercado — as ações caíram no dia 22 de março, após conversas da direção com bancos — em parte porque o controlador Casino estava avançando no plano de oferta secundária, já finalizada, e já haveria aumento considerável do volume de papéis em negociação em bolsa.

 “Não há uma discussão de oferta primária neste momento. O que temos é uma discussão, ainda em andamento, sem decisão tomada, de revisão de investimentos orgânicos em 2023 e 2024, para fazer frente ao aumento do custo da dívida”, disse Gomes.

Leia a seguir

Leia a seguir