Nubank (NUBR33) realiza campanha para renegociação de dívidas

De acordo com a instituição financeira, os clientes terão condições especiais durante todo o mês de maio

O Nubank (NUBR33) está realizando uma campanha de renegociação de débitos para clientes que querem resolver suas pendências financeiras. Portanto, com ofertas de desconto, entrada facilitada e opções de parcelamento, os usuários terão condições especiais durante todo o mês de maio.

“Queremos ajudar, de forma prática, nossos clientes a evitarem o efeito bola de neve e sair de vez da dívida, sem letras miúdas e burocracia. A ideia é oferecer condições especiais e descontos para que as pessoas possam resolver de vez as suas pendências”, comenta Renato Campanholo, responsável pela área de cobranças do banco.

Dívidas no cartão de crédito e empréstimos

Desse modo, os usuários contemplados na campanha são aqueles com dívidas em aberto no cartão de crédito e em empréstimos.

Para a renegociação de pendências no cartão, a depender da faixa de atraso ou do tamanho do débito, as condições de pagamento são inéditas, com entrada reduzida, menor taxa de juros, desconto adicional e condições de parcelamento flexíveis.

Além disso, para clientes com pendências financeiras em empréstimos, a depender do tempo de atraso, será o maior desconto de saldo devedor que a empresa já ofereceu.

Segundo o Nubank, todo o processo é feito diretamente no aplicativo ou pelo canal de atendimento da empresa, no telefone 0800-608-6236.

Resultados do 1T23 do Nubank

Atenção investidores: o banco só deve divulgar seus resultados do primeiro trimestre no dia 15 de maio.

Mas, em entrevista recente ao Valor Econômico, o fundador e CEO global, David Vélez, disse que a inadimplência pode subir um pouco neste início de ano, após ter caído no quarto trimestre beneficiada por fatores sazonais.

“Tem um pouco de reversão desse efeito sazonal, mas está bem sob controle. Não posso entrar em detalhes, mas a inadimplência está consistente com o que estamos planejando.”

No quarto trimestre, a taxa de operações em atraso superior a 90 dias subiu para 5,2%, de 4,7% no terceiro e 3,1% no fim de 2021. A inadimplência de curto prazo (15 a 90 dias), caiu de 4,2%, para 3,7% no trimestre anterior.