Saúde financeira dos brasileiros estabiliza, mas 68% temem o futuro e metade vive no aperto, mostra pesquisa

Estudo ouviu 4.769 pessoas acima de 18 anos, das 5 regiões do país

A terceira rodada do Índice de Saúde Financeira do Brasileiro (I-SFB), mostra que o nível de bem estar financeiro da população ficou estável em relação a 2022. Mas as finanças pessoais são motivo de preocupação. O estudo é da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) com apoio técnico do Banco Central (BC),

Conheça a pesquisa

A pesquisa aconteceu entre junho e setembro de 2023. O estudo considerou uma amostra de 4.769 pessoas com idade acima de 18 anos, nas 5 regiões do país.

O I-SFB mede a saúde financeira, em uma escala de 0 a 100 pontos. Então, de acordo com a pontuação, cada pessoa entra em uma das 7 faixas (ou níveis) de saúde financeira que o compõem (veja ilustração abaixo). Quanto mais alto o indicador, melhor:

ISFB 2023 FEBRABAN
Índice que mede a Saúde Financeira do Brasileiro vai de 0 a 100 pontos (Crédito: I-SFB/Febraban/2023)

Estabilização da saúde financeira

Nesta edição da pesquisa, o índice geral passou de 56,0 no início de 2022 para 56,2 em 2023, mostrando a diminuição da pressão de queda e a consequente estabilização da saúde financeira dos brasileiros em relação ao ano anterior.

Porém, 50% dos entrevistados disseram estar “apertados financeiramente”, enquanto 68% disseram não ter segurança sobre o futuro financeiro.

Finanças espremidas, orçamento curto

O retrato de saúde financeira de 2023 também revela mostra que as finanças dos brasileiros continuam sob pressão: o número de pessoas que disse estar totalmente ou muito apertadas passou de 23,1% em 2022 para 23,3% em 2023.

A dificuldade em equilibrar o orçamento permanece: para 42,6% dos entrevistados “nunca” ou “raramente” sobra dinheiro no fim do mês.

“A nova pesquisa demonstra que o índice geral da saúde financeira do brasileiro está se estabilizando, mas o orçamento do consumidor segue apertado. Esse cenário destaca a importância das ações de educação financeira, de modo que o consumidor possa retomar o controle dos seus gastos e se afastar do ciclo de estresse e desorganização financeira”, explica Amaury Oliva, diretor executivo de Cidadania Financeira, Autorregulação e Relações com o Consumidor da Febraban.

A íntegra da pesquisa você confere no portal I-SFB, da Febraban.

Para saber qual o seu índice de saúde financeira pessoal, clique aqui.