Febraban diz que parcelamento sem juros no cartão de crédito deve ser mantido

Fim do parcelamento sem juros foi defendida recentemente pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

A Febraban negou nesta segunda-feira plano para acabar com a modalidade de compras parceladas sem juros no cartão de crédito.

Em nota, a entidade que representa os grandes bancos afirmou que discute alternativas para mudanças no crédito rotativo e o “aprimoramento do mecanismo de parcelamento de compras”.

Porém, em nenhum das discussões se considera o fim do parcelado sem juros, diz trecho do comunicado.

Pelos cálculos da Febraban, atualmente no Brasil cerca de 50% das compras no cartão de crédito são feitas com parcelado sem juros.

O posicionamento chega dias após noticias sobre um estudo da Febraban que defendia o fim do parcelamento. Além disso, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu o fim do rotativo e a criação de uma tarifa para frear o parcelamento de longo prazo sem juros.

Essas discussões surgem na esteira de cobranças públicas do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para que os bancos reduzam o juro do rotativo, de cerca de 437% ao ano.

Os bancos alegam que o juro é alto em parte como compensação pelas compras parceladas sem juros, que exigem reserva de capital para cobrir riscos de inadimplência.

No comunicado desta segunda-feira (14), a Febraban acrescentou que continuará buscando uma transição gradual.

Mas qualquer solução deve considerar um cenário que beneficie consumidores, mas também garanta a viabilidade para as instituições envolvidas, incluindo bandeiras de cartões, adquirentes e lojistas, concluiu.