Produção industrial e varejo da China crescem acima do esperado em agosto

Por outro lado, novos dados mostram um piora no mercado imobiliário chinês

A produção industrial da China cresceu 4,5% em agosto ante igual mês de 2022, informou o Escritório Nacional de Estatísticas do país (NBS, na sigla em inglês).

O resultado representa uma aceleração em relação a julho, quando houve expansão de 3,7%, e superou a previsão de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que esperavam crescimento de 4,1%.

Já as vendas no varejo chinês avançaram 4,6% em agosto, na comparação anual, superando a previsão dos analistas, de alta de 3,5%. Em julho, o crescimento foi de 2,5%, também na comparação com o mesmo mês de 2022.

Ainda de acordo com o NBS, os investimentos em ativo fixo subiram 3,2% no acumulado do ano entre janeiro e agosto, em comparação com o mesmo intervalo de 2022.

Os economistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam alta de 3,3%.

Vendas de moradias

As vendas de moradias na China em valor sofreram queda anual de 1,5% entre janeiro e agosto, segundo dados do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês).

O resultado indica piora no mercado imobiliário chinês em relação ao recuo anual de 0,7% observado nos primeiros sete meses do ano.

Já as construções iniciadas – considerando-se tanto residências quanto propriedades comerciais – registraram um tombo anual de 24,4% entre janeiro e agosto, ligeiramente menor do que o declínio de 24,5% acumulado até julho.

Os investimentos no desenvolvimento de projetos imobiliários, por sua vez, tiveram contração anual de 8,8% nos primeiros oito meses do ano, aprofundando a redução de 8,5% verificada entre janeiro e julho.

Com informações da Dow Jones Newswires/Estadão Conteúdo