Quanto do salário você deve destinar aos investimentos?

Use o conceito do dízimo: separe o dinheiro e priorize seu bolso

– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • Coloque seu orçamento no papel.
  • Pague as contas essenciais e já separa o dinheiro para investir.
  • Invista entre 5% e 20% da sua renda líquida todos os meses.

Quanto investir todo mês? Pergunta clássica, que vem antes até mesmo de onde investir. Os especialistas em finanças têm algumas técnicas que te ajudam a guardar dinheiro. Mas, antes de tudo, você deve entender como a sua renda está sendo gasta. É a hora de colocar o orçamento no papel, tarefa um tanto chata, mas necessária. E aí vem o pulo do gato: separe o montante que você vai investir assim que o salário cair na conta. É o conceito do “paga-se primeiro”. E, com o que sobrou é importante administrar os pagamentos das despesas essenciais e das supérfluas.

Uma regra simples

A regra 50-30-20 pode ser usada para organizar as entradas e saídas de recursos. Por essa metodologia, 50% da receita mensal deve ser destinada às despesas básicas: alimentação, saúde, transporte, moradia. Outros 30% podem ser gastos com atividades e compras consideradas supérfluas – viagens, passeios, salão de beleza – mas que dão bem-estar. Os 20% restantes têm que ser guardados para objetivos futuros. Caso essa porcentagem pareça muito alta, dá para começar com menos – com 5%, por exemplo – e ir aumentando. O importante é criar o hábito de investir. Por isso, o investimento tem que vir logo depois do pagamento do básico, e antes do que pode ser cortado.

Informe-se

A falta de conhecimento te leva a decisões erradas. Você pode escolher investimentos que não combinam com o seu perfil de investidor ou que não se encaixam nos seus objetivos, nem atendam seu prazo. Quanto antes você começar a estudar sobre o tema, melhores serão seus resultados no futuro. Portanto, a primeira providência do investidor iniciante é se informar e estudar. Também é importante ter claro seus objetivos e prazos. Uma coisa é sonhar com uma viagem. Outra é estipular para onde, quanto quer gastar, quantos dias vai ficar por lá e com quem você irá. E fica ainda melhor quando você colocar tudo isso no papel. Visualizar a situação é uma baita ajuda para concretizar suas metas.

Aprendizados para o bolso

Separamos abaixo cinco pontos fundamentais que vão te ajudar a começar a investir :

  1. O que é investir: é o mecanismo usado para geração de renda futura.
  2. O primeiro passo: entenda como você lida com o dinheiro. A organização financeira é essencial.
  3. O resultado: ele depende do desempenho de alguns fatores, como os juros e a valorização dos ativos.
  4. Informação: quanto antes você começar a estudar sobre investimentos, melhores poderão ser seus resultados.
  5. Hábito: tão importante quanto ter clareza dos seus objetivos é criar o hábito de colocar o seu dinheiro para trabalhar para você.

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção